WhatsApp Pay estreia oficialmente como novo sistema de pagamentos no Brasil

WhatsApp Pay estreia oficialmente como novo sistema de pagamentos no Brasil

A partir desta terça-feira (4), o WhatsApp Pay inicia o funcionamento de seu sistema de pagamentos para usuários brasileiros. A novidade está sendo distribuída de forma gradual para o público local (um dos primeiros a recebê-la) e deve estar disponível para todas as pessoas físicas dentro das próximas semanas.

Segundo o comunicado emitido pelo Facebook, empresa proprietária do WhatsApp, os pagamentos para empresas vão chegar em um momento futuro, assim que a aprovação necessária for liberada. O CEO da companhia, Mark Zuckerberg, afirmou que o Brasil foi um dos primeiros países do mundo escolhidos porque ele sabe o quanto o comunicador é importante por aqui.

O diretor de operações do WhatsApp, Matt Idema, explica que o sistema facilita o envio e o recebimento de dinheiro de forma segura, evitando a exposição à pandemia do COVID-19. Inicialmente, o aplicativo vai permitir o pagamento com cartões de débito, pré-pago ou combo do Banco do Brasil, Banco Inter, Bradesco, Itaú, Mercado Pago, Next, Nubank, Sicredi e Woop Sicredi com bandeiras MasterCard e Visa — as operações serão conduzidas pela Cielo e se baseiam em um modelo aberto para outras empresas parceiras.

Como funciona

Todas as operações são feitas através do Facebook Pay, que oferece diversas camadas de segurança — incluindo soluções de biometria em aparelhos compatíveis e PIN — para garantir a tranquilidade dos usuários. Inicialmente, a empresa também estabeleceu limites para os valores e quantidades de transações que podem ser feitas durante cada dia.

Segundo o WhatsApp, há um limite de envio de até R$ 1 mil por transação e até 20 recebimentos poderão ser feitos por mês (com um limite total de R$ 5 mil), sendo que os valores podem variar conforme o banco parceiro. Além disso, só será possível fazer pagamentos e transferências com moeda local e é preciso ter um número de telefone do Brasil para usar o novo serviço.

Fonte: Canaltech

Pagamentos digitais crescem exponencialmente no varejo brasileiro

Pagamentos digitais crescem exponencialmente no varejo brasileiro

Intensificados pelo momento atual, os pagamentos digitais estão em crescimento no mercado brasileiro. E a tendência é que o avanço se intensifique no varejo em 2021. Com mais de 220 milhões de smartphones ativos no país, cada vez mais brasileiros estão fazendo compras pelas carteiras digitais.

Para se ter uma ideia, a Sociedade Brasileiro de Varejo e Consumo apontou que em 2020, as carteiras digitais representaram 85% das vendas feitas por apps. Especialistas preveem o crescimento exponencial das carteiras digitais e a popularização do PIX, sistema de pagamentos instantâneos do Brasil.

Conversamos com dois especialistas no assunto para entendermos melhor os efeitos dos pagamentos digitais no mercado, são eles: o CEO da MARKETUP, Rodrigo Moreno e o co-CEO da SHIPAY, Charles Hagler. Confira a entrevista abaixo:


Como surgiu a parceria com a MARKETUP?

Rodrigo explica que a parceria com a SHIPAY surgiu por uma proximidade física. “Ambas as empresas se localizam no INOVA BRA, centro de inovação e coworking do Bradesco. E em uma das apresentações entre as startups do ecossistema, o Luiz da SHIPAY, entrou em contato comigo e começamos a desenvolver essa parceria comercial”, ressalta.

Para Charles Hagler, a parceria surgiu com o intuito de popularizar os meios de pagamentos digitais e atender os pequenos varejistas. Unindo assim a MARKETUP, que é uma das principais empresas de PDV para varejo do Brasil e a SHIPAY que foi a pioneira em trazer pagamentos digitais integrados em PDV.

Como a solução da SHIPAY agrega valor ao serviço da MARKETUP?

“A solução da SHIPAY é super relevante para o produto MARKETUP, uma vez que ele possibilita uma série de efetivações de transações, através de múltiplas carteiras digitais. E isso no facilita, porque em vez de ter de desenvolver conexões com cada uma das carteiras digitais que já existem no mercado, nos conseguimos integrar todas em uma mesma solução”, explica Rodrigo Moreno.

“Eu sempre brinco, dizendo que a SHIPAY é um marketplace de carteiras digitais”, completa. Qual é a importância dos pagamentos digitais e do PIX atualmente no mercado?

Moreno afirma que os números mundo afora já demonstram que os pagamentos digitais são cada vez mais importantes como meio de pagamento. Então, o consumidor tende a trocar cada vez mais portar um cartão físico ou dinheiro em espécie pelos pagamentos digitais porque já realizam tudo pelo celular, agora também podendo fazer o pagamento de uma compra.

Dentro desse conceito, o PIX tem ganhado expressividade no varejo, que é nosso público-alvo. Um estudo da Mastercard mostra que 75% dos brasileiros afirmam que gostariam de usar o PIX em tempo real no comércio para fazerem seus pagamentos.

Além do crescimento no uso do PIX, o sistema representa uma economia na veia para o varejista que neste momento não precisa pagar nenhuma taxa de adquirência de cartão de crédito ao receber os valores de uma transação que ele realizou, completa Moreno.

Hagler complementa ressaltando que hoje já existem carteiras no Brasil como o PICPAY com mais de 40 milhões de usuários. O PIX que começou a operar em novembro já conta com mais de 140 milhões de chaves cadastradas.

“É uma questão de tempo para que os pagamentos digitais se tornem muito relevantes para o varejo, a ponto de o lojista não ter como não aceitar o pagamento com as carteiras digitais, semelhante ao que acontece hoje com os cartões de crédito”
Explica Hagler.


Quais são os principais benefícios da integração SHIPAY/MARKETUP para os clientes?

Moreno afirma que para a base de clientes da MARKETUP, atualmente com cerca de 150 mil PJs espalhados pelo Brasil, é uma conveniência muito grande contar com a SHIPAY em seu PDV. “O grande benefício é que a integração entre SHIPAY e MARKTEUP são claramente percebidos no PDV, em que a partir dali o lojista consegue realizar uma venda por QR Code dinâmico, com todo o processo automatizado e os consumidores podem fazer o pagamento em instantes. É muito prático, muito transparente!”, completa Moreno.

Charles complementa explicando que a integração da MARKETUP com a SHIPAY torna as transações mais seguras e práticas, melhorando a experiência dos clientes de varejo.

Como as micro e pequenas empresas tem se adaptado as carteiras digitais?

Moreno explica que as pequenas empresas têm aderido fortemente a esta tendência das carteiras digitais, muito porque é um público, normalmente, desassistido por parte do sistema financeiro tradicional. E porque os pagamentos com carteiras digitais representam economia no fim do dia para estes lojistas que tem margem bastante apertada.

Charles complementa dizendo que a aceitação de pagamentos digitais se torna um diferencial para os pequenos negócios em suas regiões. É uma questão de tempo para que a maioria dos varejistas já adotem os pagamentos digitais como opção de pagamento. As expectativas em relação as carteiras digitais nos próximos anos são muito animadoras.

Segundo a consultoria Bain & Company, as carteiras digitais devem representar 28% de todos os pagamentos em lojas físicas e 47% das vendas do e-commerce em 2022. No Brasil, a evolução dos pagamentos digitais segue no mesmo ritmo, sendo muito importante, principalmente, para o varejo.

Quero vender pelo WhatsApp, como a Shipay pode me ajudar?

Quero vender pelo WhatsApp, como a Shipay pode me ajudar?

Solução da Shipay é flexível e pode ser utilizada tanto por grandes redes quanto por pequenos e micro varejistas. Saiba como vender 100% remoto via WhatsApp.

Com 120 milhões de usuários no Brasil, o potencial de alcance do Whatsapp é sem dúvidas impressionante. Em empresas, já há algum tempo a ferramenta vem sendo utilizada como um canal de suporte ao cliente bem funcional, desde o surgimento do WhatsApp Business. O mais interessante é que a ferramenta também pode ser um canal promissor de vendas, mas sabemos que essa função ainda é pouco explorada no país. 

De um modo geral, temos empresas se adiantando para estruturar o Whatsapp como um canal de vendas automatizado, como é o caso do Burger King, que vamos explicar um pouco mais neste artigo. Em outra ponta, temos empresas de menor porte usando o WhatsApp de forma improvisada como canal de vendas. De olho neste mercado, a Shipay percebeu uma oportunidade para auxiliar varejistas e microempreendores a melhorarem suas experiências de venda usando o Whatsapp. Hoje, você vai entender como pode usar a ferramenta de bate papo para impulsionar e modernizar as vendas da sua empresa.

Passo a passo para pagar pelo WhatsApp

O sistema da Shipay permite que o lojista faça pagamentos direto dentro do WhatsApp usando link de pagamento, seja o link do PIX (copia e cola), ou das carteiras digitais. A grande vantagem é que o cliente pode pagar dentro do WhatsApp e o lojista tem a confirmação em tela direto no PDV dele. Ou seja, tudo que for vendido é conciliado no sistema da loja.

Outro lado vantajoso para os lojistas é que com o sistema da Shipay os links de pagamento permanecem com suas taxas originais. O que isso significa? Os adquirentes também conseguem mandar links de pagamento, a diferença é que cobram uma taxa por isso, o que acaba deixando o serviço mais caro. Com a Shipay, as taxas originais dos links de pagamento, seja do PIX ou das carteiras, são mantidas. a

Duas formas de integrar os pagamentos para necessidades diferentes

O sistema da Shipay é flexível e pode ser integrado de duas formas diferentes: dentro de sistemas automatizados ou integrado ao PDV da loja. O primeiro formato é mais adequado para grandes grupos, enquanto o segundo funciona muito bem para varejistas de pequeno porte. “A solução da Shipay pode ser usada em empresas de todos os tamanhos. Os canais automatizados, que contam com chatbots, são sistemas caros, normalmente desenvolvidos por grandes redes, como é o caso do Burger King. Em uma operação menor, uma pessoa só consegue gerenciar todo o processo e funciona de um jeito lindo. O cliente faz a compra de forma 100% remota e a confirmação do pagamento é feita na tela do PDV, como se o cliente estivesse lá presencialmente.” explica Charles Hagler, Co-Ceo da Shipay. 

Essa é uma alternativa versátil e extremamente útil principalmente em um momento de lockdown. Além disso, uma vez que o cliente experimenta comprar via WhatsApp, a tendência é de que continue pagando dessa forma, já que é muito mais prático. 

O formato integrado ao PDV funciona assim: o cliente e operador começam a conversar pelo WhatsApp e o lojista oferece as opções que ele tem para comprar. À medida que o cliente vai escolhendo o que quer, o lojista vai registrando no caixa, como se estivesse fazendo uma venda presencial. Na hora de finalizar a compra, ele informa os meios de pagamento, que são PIX e as carteiras digitais. O cliente escolhe a opção que quer pagar e o lojista manda o link de pagamento. Assim que a transação é feita, a confirmação aparece na tela do PDV. 

Com um sistema automatizado, a solução é desenhada da mesma forma como foi feito com o case do BK (confira uma demonstração no vídeo acima). “Nessas situações o lojista tem um sistema de vendas específico no WhatsApp que geralmente tem um chatbot conectado nele. Nesse modelo, a solução da Shipay fica conectada a esse sistema de venda em que todo o processo é feito dentro do WhatsApp. Esse é um canal automatizado, com chatbot, conforme o cliente vai interagindo com o robô, ele mesmo dá as opções de produtos e de pagamentos”, explica Hagler. Nesse formato, as opções de pagamento também são por PIX e carteiras digitais. 

Uma grande vantagem para o consumidor em comprar dessa forma, além da praticidade, é a possibilidade de aproveitar cashbacks e outros descontos especiais oferecidos pelas carteiras. O case do BK traz um grande aprendizado, já que a experiência foi desenhada de uma forma moderna, ágil e conectada com as novas tecnologias, totalmente aderente com o que busca a geração Z. Quer conferir como funciona? Experimente pedir o seu lanche pelo Zap do BK (11) 2222-7000. Você faz sua compra em poucos segundos, sem complicações, com uma interação fluida e linguagem leve. 

Ideal para food services

Hagler acrescenta a vantagem das vendas pelo WhatsApp especialmente para as empresas do segmento de alimentação, como padarias, fast foods, restaurantes, bares, etc. “Negócios com um portfólio grande de produtos (como supermercados) não são tão aderentes a este formato, porque o operador ou o robô teriam que apresentar um catálogo enorme de produtos para o cliente, isso complica a interação. Nos food services, tanto o robô quanto o operador não precisam dar tantas opções ao cliente, então a solução tende a funcionar melhor”, explica. 

Ele também pontua que neste momento de pandemia o canal do WhatsApp ganha uma relevância maior, tendo em vista que a ferramenta é amplamente utilizada pela população e as empresas conseguem fugir das taxas e comissões cobradas por plataformas de delivery. Além disso, o lojista também reduz possibilidades de erros e imprevistos nas vendas. “Nas plataformas de delivery, há opções em que o cliente paga na hora e isso pode causar problemas, desencontros entre o entregador e o cliente, cartões com erro, problemas com maquininhas, etc. Pelo WhatsApp, a pessoa paga pelo pedido antecipadamente e o lojista não fica na mão com imprevistos que poderiam acontecer”, comenta. 

Quer aumentar as vendas da sua empresa nesse período de lockdown? Faça a sua integração para receber pagamentos digitais pelo WhatsApp!

Pagamentos digitais e PIX são o futuro do mercado de Food Service.

Pagamentos digitais e PIX são o futuro do mercado de Food Service.

A pandemia de coronavírus é um dos principais fatores para a aceleração do processo de transformação digital do mercado de Food Service. Com as medidas de isolamento social e a restrição das atividades presenciais, bares e restaurantes tem adotado os pagamentos digitais em seus estabelecimentos e sistemas de delivery.

Os pagamentos digitais aliado ao lançamento do PIX pelo Banco Central foram bastante adotados para a realização de pagamentos em 2020. De acordo com o estudo Generation Pay da fintech Worldpay, cerca de 40% dos brasileiros já adotaram o pagamento de compras via carteiras digitais.

Para entender melhor essa transformação, falamos com Wesley Fernando, proprietário da iDCS e com Charles Hagler, co-CEO da SHIPAY, um dos nossos principais parceiros.  Falamos com os profissionais sobre a parceria entre as empresas e o futuro do mercado de Food Service. Confira abaixo:

Como surgiu a parceria entre iDCS e SHIPAY?

Wesley explica que a parceria com a SHIPAY surgiu na pandemia. Segundo ele, a iDCS já acreditava que os pagamentos digitais são o futuro e que era necessário adotar as carteiras digitais em uma única plataforma de pagamento para facilitar a vida dos nossos clientes. Então, a parceria surgiu dessa necessidade de automatizar as operações dentro dos estabelecimentos.

Hagler completa explicando que a SHIPAY procurou a iDCS em meados de 2020 e ofereceu a integração de carteiras digitais em seu software de PDV, exatamente para atender a esta necessidade.

Qual é a importância de um sistema de PDV como o da iDCS para restaurantes?

Para Wesley Fernando, o sistema da iDCS é fundamental para um restaurante. “Com o nosso sistema, um estabelecimento ganha um leque de automações com uma única plataforma. Ele consegue ter todo o controle da parte operacional, estoque e finanças”, afirma o proprietário da empresa.

Já tivemos casos de clientes, por exemplo, que tem o controle de estoque por meio do nosso sistema no seu celular, deles estarem no mercado fazendo as compras de reposição e ao encontrar produtos baratos, eles checam a necessidade de estoque para gerar economia, ressalta o executivo.

Como a SHIPAY e a iDCS agregam valor ao setor de restaurantes?

A iDCS já tem muitos anos de prática no segmento de Food Service e com a parceria com a SHIPAY, a empresa consegue oferecer ainda mais vantagens para os donos de restaurantes, afirma Hagler.

Através da parceria com a SHIPAY, a iDCS passa a oferecer a seus clientes, o PIX e todas as carteiras digitais como PicPay, Ame, Mercado Pago, entre outras, integradas diretamente no sistema de caixa.

Com o recebimento das vendas via PIX, por exemplo, os varejistas conseguem aproveitar as taxas mais atrativas do novo sistema de pagamentos e com a integração SHIPAY/iDCS, ele consegue realizar vendas instantâneas sem dificuldades, explica o co-CEO da SHIPAY.

Segundo uma pesquisa da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), cerca de 61% dos estabelecimentos já instalaram o PIX e 37% já utilizam o meio para realizar pagamentos.  Para 43%, a principal barreira para não usar o PIX é a falta de integração com o sistema da loja, o que a integração SHIPAY/iDCS resolve.

Os pagamentos digitais são uma grande uma vantagem em relação as vendas com cartões de crédito e débito que ofertam taxas mais caras e nas transações em dinheiro em espécie, o que diminui as chances de perdas e desvios de valores, necessidade de troco, entre outras questões.

Outra vantagem de colocar as carteiras digitais é que elas oferecem diversos descontos por meio de sistemas de cashback e promoções, como acontece por exemplo, com as plataformas do Mercado Pago e da Ame Digital. Isso pode ajudar a fidelizar clientes, atraindo novos consumidores por meio das ações das próprias carteiras digitais, destaca Hagler. Além disso, com a integração SHIPAY/iDCS, o cliente também consegue gerar, pelo próprio PDV, o QR Code e o link de pagamento para realizar vendas por meio de aplicativos de mensagens como WhatsApp, por exemplo, o que é um grande benefício para quem faz vendas remotas ou sem a necessidade de deslocamento até o caixa do estabelecimento.

O futuro do mercado de Food Service está nos pagamentos digitais e instantâneos?

O mercado de Food Service como todos os outros setores do varejo vem passando por transformações e isso se acelerou após o início da pandemia de COVID-19.  

No caso do Food Service, as plataformas de delivery como Ifood e Rappi, eles criaram uma demanda importante para os restaurantes, principalmente no pico da pandemia. Porém, por outro lado, eles diminuem bastante a rentabilidade dos restaurantes por conta das altas taxas, ressalta Charles.

Charles explica que os pagamentos digitais possibilitam que os restaurantes façam seus próprios sistemas de delivery pelo WhatsApp, por exemplo. Isso dispensa a necessidade de participar de plataformas de delivery e assim cortando o intermediário, a rentabilidade aumenta.

O presidente da Abrasel-SP, Joaquim Saraiva, em entrevista a Gazeta do Povo, o uso do PIX representa uma redução significativa. Ele explica que enquanto em transações convencionais, a taxa aplicada fica entre 1% e 3% do valor da compra, no PIX a cobrança é de taxa zero ou de poucos centavos por transação.

Com a pandemia ainda em curso, existe ainda um desafio para os donos de restaurantes de recuperar a rentabilidade para melhorar a saúde financeira de seus negócios. E os pagamentos digitais e instantâneos servem para potencializar essa rentabilidade diminuindo a cobrança de taxas, por exemplo.

Conheça a iDCS!

Estamos há mais de 24 anos no Mercado!

A iDCS Automação ( Intelligence Data Cloud System ), é uma das principais desenvolvedoras de softwares de gestão exclusivos no ramo alimentício, contribuindo com a facilidade de gerenciamento de cada negócio.

Atendemos às necessidades específicas de cada cliente, oferecendo uma gestão eficiente para empresas de todos os portes.

Sistema de caixa com pagamentos por QR Code para MEIs, pequenos e médios empreendedores chega ao mercado

Sistema de caixa com pagamentos por QR Code para MEIs, pequenos e médios empreendedores chega ao mercado

Ganho competitivo: solução da vhsys vem com integração para que micro e pequenos empresários possam oferecer pagamentos por QR Code com facilidade.

O grande tropeço de quem fica reticente a se abrir para transformações é achar que toda mudança envolve grandes investimentos, equipes enormes e reformas estruturais significativas. Na verdade, o primeiro passo para que você possa mudar e crescer, é ter a mentalidade aberta para o fato de que o mundo está sempre em constante movimento.

Se você é varejista, dono de um pequeno negócio ou mesmo um trabalhador autônomo que trabalha com vendas, certamente sentiu os impactos das mudanças de comportamento de consumo com a chegada da pandemia – e quanto mais rápido entender esses novos hábitos, mais possibilidades terá para uma recuperação sólida.

Os pagamentos por QR Code não são apenas uma tendência passageira, eles vieram para ficar. E neste artigo você vai perceber que é muito simples se adaptar para oferecer essa opção aos seus clientes, independente do tamanho da sua empresa. 

Pesquisa do Capterra divulgada no segundo semestre do ano passado mostrou que os pagamentos digitais cresceram 32% desde o início da pandemia. Além disso, 96% das pessoas entrevistadas com carteiras digitais instaladas disseram que pretendem continuar usando o método de pagamento após o fim da crise sanitária. Com a chegada do PIX no mercado, essa tendência se fortalece ainda mais.

Em apenas dois meses de funcionamento, a plataforma de pagamentos instantâneos do Banco Central já havia superado o volume de transações de TED e DOC. O sucesso na adesão em transações entre pessoas físicas é um excelente sinal para a próxima etapa do Banco Central, que lançará uma funcionalidade de pagamento parcelado via PIX. 

Sistemas de caixa integrados para receber pagamentos por QR Code

A notícia é ótima para varejistas, tendo em vista a forte cultura brasileira de parcelamento das compras. Reginaldo Stocco, CEO e Founder da vhsys, empresa que fornece sistemas para micro e pequenos negócios, comenta que os pagamentos por QR Code têm ainda a vantagem de terem custos inferiores aos sistemas tradicionais. 

A empresa oferece uma solução focada em facilitar a vida de MEIs, pequenos e médios empresários, com sistemas que tornam a operação no dia a dia mais simples, inclusive o recebimento de pagamentos via QR Code. “Com a integração, a vhsys passa a disponibilizar de forma rápida aos empreendedores uma diversidade de soluções. Por conta de nossos desenvolvedores, não há necessidade de usar integrações individuais”, acrescenta Stocco. 

Dentre as muitas soluções oferecidas pela vhsys, a Shipay está focada especificamente na integração para os pagamentos por QR Code. Ou seja, um sistema de caixa para MEIs, pequenos e médios empresários que dá ao cliente a opção de pagar com QR Code, seja via PIX ou carteiras digitais.

Todos esses pagamentos são integrados em um só lugar, o que facilita a conciliação de caixa no fim do dia. Como o mercado de carteiras digitais vem crescendo de forma expressiva no Brasil, o consumidor ganha em usar esses meios de pagamento, tendo em vista que bancos e fintechs estão sempre se adiantando para oferecer descontos e vantagens. 

“Para usar essa solução é bem simples também, ele só precisa acessar no nosso sistema o aplicativo de integração entre vhsys e Shipay. E aí ele vai instalar, acessar o portal da Shipay para cadastrar as carteiras e pronto, já poderá receber tanto pelas carteiras digitais, como também pelo PIX.”, explica Stocco. 

Lembra que dissemos no início deste artigo que transformações significativas dependem muito mais de mentalidade aberta para o novo do que grandes investimentos? Pois bem, esse passo a passo simples de como ter a integração ativa em seu sistema de caixa é a prova de que basta muito pouco para você ter a possibilidade de oferecer mais experiências de qualidade aos seus clientes. 

Melhoria do fluxo de caixa e mais segurança para os clientes

Stocco reforça, por exemplo, o potencial do PIX para substituir definitivamente o boleto bancário. Neste caso, a grande vantagem para o empreendedor é ganhar fluxo de caixa, tendo em vista que o pagamento é compensado em apenas alguns segundos. Isso impede, por exemplo, que uma mercadoria fique “travada” no estoque até a compensação do boleto bancário, que pode levar de um a dois dias úteis. 

De um modo geral, os protocolos dos consumidores sobre segurança e higiene são fatores importantes em sua percepção de valor em relação a uma marca. Outra pesquisa feita recentemente mostrou que 3 a cada 5 brasileiros consideram os pagamentos sem contato como uma das medidas mais importantes a serem adotadas pelas empresas. Os pagamentos por QR Code podem ser feitos com mais de um metro de distância, com uso de barreira de acrílico entre operadores de caixa e clientes para tornar o ambiente mais seguro. 

Inclusão financeira

Também é muito importante levar em consideração os esforços que vêm sendo feitos para gerar mais inclusão financeira e aumentar a familiaridade da população com as ferramentas digitais. Os beneficiários do auxílio emergencial, por exemplo, puderam usar os recursos diretamente pela carteira digital da Caixa, sem a necessidade de enfrentar filas em agências bancárias.

O mesmo agora vale para quem recebe recursos do Bolsa Família. Se antes o dinheiro precisava ser sacado integralmente, agora os beneficiários podem usar os recursos em uma conta digital, tanto para fazer compras quanto para pagamentos. Todos esses incentivos gradualmente afastam a população do uso do dinheiro em espécie. 

Quanto mais preparado sua empresa estiver para os pagamentos digitais, mais oportunidades poderá enxergar. “Foque no seu negócio e mantenha-o em constante evolução, com a pandemia tivemos muitas dores econômicas mas ao mesmo tempo muitas oportunidades”, finaliza Stocco.   

Como um micro empreendedor individual, pequeno ou médio empresário, você entende a importância de manter o seu negócio atualizado e oferecer aos seus clientes a opção de pagar com QR Code. Se você ainda não sabia como atualizar o seu sistema de caixas, nós trouxemos a resposta.

Close Bitnami banner
Bitnami