Shipay e Banco Original oferecem automação para facilitar o uso do PIX no varejo

Shipay e Banco Original oferecem automação para facilitar o uso do PIX no varejo

Empresas reuniram expertise em tecnologia e Bank as a Service para que varejistas possam integrar o Pix aos PDVs das lojas sem complicação. 

Desde que começou a ser divulgado no mercado, o Pix veio com a ideia de ser uma ferramenta fluida, fácil e barata para fazer transações financeiras. O investimento intenso do Banco Central no desenvolvimento da plataforma e também em sua divulgação parecem ter funcionado muito bem entre pessoas físicas, que estão aderindo ao Pix com uma velocidade impressionante. Em seu primeiro mês de funcionamento, a ferramenta já respondia por 36% das transações financeiras do sistema bancário. O balanço mais recente do Banco Central mostra que em 2021 foram feitas 286 milhões de transações via Pix, um volume cinco vezes maior do que a quantidade de TEDs feitas no mesmo período. Com tanta popularidade, já é hora do varejo ter uma forma prática e simples de oferecer o Pix como forma de pagamento em seus PDVs. 

Para auxiliar pequenos, médios e grandes varejistas a estarem preparados para acompanhar essa revolução nos meios de pagamentos, a Shipay lança uma parceria totalmente inovadora e disruptiva com o Banco Original para simplificar a vida do varejista na hora de receber pagamentos por Pix. O objetivo é possibilitar que varejistas recebam esses pagamentos de uma forma simples, rápida, segura e prática, preservando o relacionamento bancário do varejista com a instituição que ele preferir. Em outras palavras, deixar o Pix tão prático para o varejo quanto ele já é para pessoas físicas. 

Com a solução, os varejistas poderão gerar QR Codes dinâmicos para cada compra, basta os clientes apontarem o celular para a tela que a transação estará concluída. O objetivo é acelerar a adesão à plataforma de pagamentos instantâneos do Banco Central e aumentar as vendas com transações mais ágeis. 

Entendendo as dificuldades do varejista

Por mais que historicamente a adoção de inovações aconteça de um modo mais acelerado entre pessoas físicas em relação a empresas, sabemos que também pairam dúvidas e existem alguns receios por parte dos varejistas, e entendemos tudo isso como um processo natural. As dúvidas mais comuns são sobre como implantar a tecnologia no caixa, os benefícios para o varejista e para o consumidor e como receber o Pix de forma segura. 

Além disso, o varejista tem dificuldades em escolher o banco parceiro (PSP), conseguir as chaves e acompanhar a evolução do produto para que fique totalmente integrado ao PDV. Sem muita clareza sobre todos esses pontos, não é de se estranhar que o varejo ainda esteja tímido quanto à adoção do Pix. Pois bem, nós estamos aqui para trazer respostas. Com essa parceria, o varejista recebe pagamentos via Pix, tem toda a integração feita de modo muito fácil e os valores são depositados no banco que ele quiser. Ou seja, ele moderniza a operação e não precisa alterar nada no relacionamento bancário que já possui. 

Como funciona essa parceria? 

Basicamente a Shipay atua como a integradora para que o PDV das lojas esteja preparado para receber os pagamentos por Pix. Com a solução, a opção de pagamento fica integrada ao PDV, com confirmação de pagamento na tela. O Banco Original, por sua vez, atua com sua frente de Bank as a Service e garante que todos os pagamentos via Pix sejam direcionados para a conta bancária que o varejista escolher. O processo de cadastro para habilitar a solução também é muito prático, sem necessidade de envio de documentos. 

Dessa forma, o varejista não precisa ficar acessando o internet banking a cada compra para checar se os pagamentos foram realizados. Isso seria pouco seguro para uma operação comercial e dificultaria também a conciliação de caixa.  

“É um serviço totalmente disruptivo e vemos o quanto isso vai acelerar o Pix no varejo, simplificar a vida do pequeno empresário. Estamos vendo várias reportagens mostrando que o varejo não entendeu como implantar, que tem dúvidas. Nossa solução une a expertise da Shipay em tecnologia e a expertise do Banco Original em Bank as a Service. Juntamos forças para dar ao mercado algo simples e fácil de aplicar”, comenta Luiz Coimbra, Co-Ceo da Shipay. 

Isso significa que o varejista não terá trabalho algum para implantar a tecnologia em seu PDV, nem precisará mudar as relações que já têm estabelecidas com seus bancos. Sabemos que em muitos casos o varejista já tem uma boa relação com seu gerente, está satisfeito com o atendimento e quer manter as coisas como elas estão. Este é um dos principais diferenciais da solução oferecida, porque traz a automação sem a necessidade do varejista mexer em sua operação. 

Solidez e credibilidade para o varejo

O superintendente executivo Head de BaaS (Bank as a Service) do Banco Original, Carlos Rudnei, acrescenta que a parceria explora o diferencial das duas empresas: a solidez e o conhecimento de Pix do Banco Original e a expertise da Shipay em soluções de meios de pagamento. 

Uma das principais preocupações da Shipay ao buscar uma parceria dessa natureza, foi trazer para perto uma instituição que pudesse dar total segurança ao nosso cliente final. Neste sentido, o Banco Original é uma das principais referências em Bank as a Service. Ou seja, além dos serviços tradicionais de banco que oferece aos seus clientes (pessoas física e jurídica), a instituição também tem uma ampla frente de prestação de serviços para outros bancos e também fintechs. Buscamos uma instituição com know-how altamente qualificado para a prestação do serviço e também avançada em discussões como o Open Banking, que será a próxima etapa do Banco Central em termos de inovação. 

“Nossa solução está preparada para toda a evolução do mercado, completamente alinhada com a agenda do Banco Central e pronta para atender as necessidades da autoridade monetária”, comenta Coimbra. 

Além disso, tendo em vista a adesão acelerada ao Pix em transações de pessoa física, ofertar a possibilidade de o cliente pagar com essa plataforma certamente é um forte diferencial competitivo dos varejistas diante da concorrência. A solução será ainda mais relevante para o segundo momento do Pix, tendo em vista que o Banco Central já se prepara para lançar novas funções da plataforma, como parcelamento de compras. Com essa funcionalidade, o potencial do Pix no varejo cresce ainda mais, tendo em vista o hábito dos brasileiros de preferirem o pagamento parcelado. 

Quanto mais cedo sua operação estiver integrada, melhor a experiência que você poderá oferecer ao seu cliente final. Para ter a solução em sua loja, o processo é rápido e sem burocracia. Clique aqui para fazer a sua integração e modernizar o seu PDV. 

Pagamentos digitais crescem exponencialmente no varejo brasileiro

Pagamentos digitais crescem exponencialmente no varejo brasileiro

Intensificados pelo momento atual, os pagamentos digitais estão em crescimento no mercado brasileiro. E a tendência é que o avanço se intensifique no varejo em 2021. Com mais de 220 milhões de smartphones ativos no país, cada vez mais brasileiros estão fazendo compras pelas carteiras digitais.

Para se ter uma ideia, a Sociedade Brasileiro de Varejo e Consumo apontou que em 2020, as carteiras digitais representaram 85% das vendas feitas por apps. Especialistas preveem o crescimento exponencial das carteiras digitais e a popularização do PIX, sistema de pagamentos instantâneos do Brasil.

Conversamos com dois especialistas no assunto para entendermos melhor os efeitos dos pagamentos digitais no mercado, são eles: o CEO da MARKETUP, Rodrigo Moreno e o co-CEO da SHIPAY, Charles Hagler. Confira a entrevista abaixo:


Como surgiu a parceria com a MARKETUP?

Rodrigo explica que a parceria com a SHIPAY surgiu por uma proximidade física. “Ambas as empresas se localizam no INOVA BRA, centro de inovação e coworking do Bradesco. E em uma das apresentações entre as startups do ecossistema, o Luiz da SHIPAY, entrou em contato comigo e começamos a desenvolver essa parceria comercial”, ressalta.

Para Charles Hagler, a parceria surgiu com o intuito de popularizar os meios de pagamentos digitais e atender os pequenos varejistas. Unindo assim a MARKETUP, que é uma das principais empresas de PDV para varejo do Brasil e a SHIPAY que foi a pioneira em trazer pagamentos digitais integrados em PDV.

Como a solução da SHIPAY agrega valor ao serviço da MARKETUP?

“A solução da SHIPAY é super relevante para o produto MARKETUP, uma vez que ele possibilita uma série de efetivações de transações, através de múltiplas carteiras digitais. E isso no facilita, porque em vez de ter de desenvolver conexões com cada uma das carteiras digitais que já existem no mercado, nos conseguimos integrar todas em uma mesma solução”, explica Rodrigo Moreno.

“Eu sempre brinco, dizendo que a SHIPAY é um marketplace de carteiras digitais”, completa. Qual é a importância dos pagamentos digitais e do PIX atualmente no mercado?

Moreno afirma que os números mundo afora já demonstram que os pagamentos digitais são cada vez mais importantes como meio de pagamento. Então, o consumidor tende a trocar cada vez mais portar um cartão físico ou dinheiro em espécie pelos pagamentos digitais porque já realizam tudo pelo celular, agora também podendo fazer o pagamento de uma compra.

Dentro desse conceito, o PIX tem ganhado expressividade no varejo, que é nosso público-alvo. Um estudo da Mastercard mostra que 75% dos brasileiros afirmam que gostariam de usar o PIX em tempo real no comércio para fazerem seus pagamentos.

Além do crescimento no uso do PIX, o sistema representa uma economia na veia para o varejista que neste momento não precisa pagar nenhuma taxa de adquirência de cartão de crédito ao receber os valores de uma transação que ele realizou, completa Moreno.

Hagler complementa ressaltando que hoje já existem carteiras no Brasil como o PICPAY com mais de 40 milhões de usuários. O PIX que começou a operar em novembro já conta com mais de 140 milhões de chaves cadastradas.

“É uma questão de tempo para que os pagamentos digitais se tornem muito relevantes para o varejo, a ponto de o lojista não ter como não aceitar o pagamento com as carteiras digitais, semelhante ao que acontece hoje com os cartões de crédito”
Explica Hagler.


Quais são os principais benefícios da integração SHIPAY/MARKETUP para os clientes?

Moreno afirma que para a base de clientes da MARKETUP, atualmente com cerca de 150 mil PJs espalhados pelo Brasil, é uma conveniência muito grande contar com a SHIPAY em seu PDV. “O grande benefício é que a integração entre SHIPAY e MARKTEUP são claramente percebidos no PDV, em que a partir dali o lojista consegue realizar uma venda por QR Code dinâmico, com todo o processo automatizado e os consumidores podem fazer o pagamento em instantes. É muito prático, muito transparente!”, completa Moreno.

Charles complementa explicando que a integração da MARKETUP com a SHIPAY torna as transações mais seguras e práticas, melhorando a experiência dos clientes de varejo.

Como as micro e pequenas empresas tem se adaptado as carteiras digitais?

Moreno explica que as pequenas empresas têm aderido fortemente a esta tendência das carteiras digitais, muito porque é um público, normalmente, desassistido por parte do sistema financeiro tradicional. E porque os pagamentos com carteiras digitais representam economia no fim do dia para estes lojistas que tem margem bastante apertada.

Charles complementa dizendo que a aceitação de pagamentos digitais se torna um diferencial para os pequenos negócios em suas regiões. É uma questão de tempo para que a maioria dos varejistas já adotem os pagamentos digitais como opção de pagamento. As expectativas em relação as carteiras digitais nos próximos anos são muito animadoras.

Segundo a consultoria Bain & Company, as carteiras digitais devem representar 28% de todos os pagamentos em lojas físicas e 47% das vendas do e-commerce em 2022. No Brasil, a evolução dos pagamentos digitais segue no mesmo ritmo, sendo muito importante, principalmente, para o varejo.

Quero vender pelo WhatsApp, como a Shipay pode me ajudar?

Quero vender pelo WhatsApp, como a Shipay pode me ajudar?

Solução da Shipay é flexível e pode ser utilizada tanto por grandes redes quanto por pequenos e micro varejistas. Saiba como vender 100% remoto via WhatsApp.

Com 120 milhões de usuários no Brasil, o potencial de alcance do Whatsapp é sem dúvidas impressionante. Em empresas, já há algum tempo a ferramenta vem sendo utilizada como um canal de suporte ao cliente bem funcional, desde o surgimento do WhatsApp Business. O mais interessante é que a ferramenta também pode ser um canal promissor de vendas, mas sabemos que essa função ainda é pouco explorada no país. 

De um modo geral, temos empresas se adiantando para estruturar o Whatsapp como um canal de vendas automatizado, como é o caso do Burger King, que vamos explicar um pouco mais neste artigo. Em outra ponta, temos empresas de menor porte usando o WhatsApp de forma improvisada como canal de vendas. De olho neste mercado, a Shipay percebeu uma oportunidade para auxiliar varejistas e microempreendores a melhorarem suas experiências de venda usando o Whatsapp. Hoje, você vai entender como pode usar a ferramenta de bate papo para impulsionar e modernizar as vendas da sua empresa.

Passo a passo para pagar pelo WhatsApp

O sistema da Shipay permite que o lojista faça pagamentos direto dentro do WhatsApp usando link de pagamento, seja o link do PIX (copia e cola), ou das carteiras digitais. A grande vantagem é que o cliente pode pagar dentro do WhatsApp e o lojista tem a confirmação em tela direto no PDV dele. Ou seja, tudo que for vendido é conciliado no sistema da loja.

Outro lado vantajoso para os lojistas é que com o sistema da Shipay os links de pagamento permanecem com suas taxas originais. O que isso significa? Os adquirentes também conseguem mandar links de pagamento, a diferença é que cobram uma taxa por isso, o que acaba deixando o serviço mais caro. Com a Shipay, as taxas originais dos links de pagamento, seja do PIX ou das carteiras, são mantidas. a

Duas formas de integrar os pagamentos para necessidades diferentes

O sistema da Shipay é flexível e pode ser integrado de duas formas diferentes: dentro de sistemas automatizados ou integrado ao PDV da loja. O primeiro formato é mais adequado para grandes grupos, enquanto o segundo funciona muito bem para varejistas de pequeno porte. “A solução da Shipay pode ser usada em empresas de todos os tamanhos. Os canais automatizados, que contam com chatbots, são sistemas caros, normalmente desenvolvidos por grandes redes, como é o caso do Burger King. Em uma operação menor, uma pessoa só consegue gerenciar todo o processo e funciona de um jeito lindo. O cliente faz a compra de forma 100% remota e a confirmação do pagamento é feita na tela do PDV, como se o cliente estivesse lá presencialmente.” explica Charles Hagler, Co-Ceo da Shipay. 

Essa é uma alternativa versátil e extremamente útil principalmente em um momento de lockdown. Além disso, uma vez que o cliente experimenta comprar via WhatsApp, a tendência é de que continue pagando dessa forma, já que é muito mais prático. 

O formato integrado ao PDV funciona assim: o cliente e operador começam a conversar pelo WhatsApp e o lojista oferece as opções que ele tem para comprar. À medida que o cliente vai escolhendo o que quer, o lojista vai registrando no caixa, como se estivesse fazendo uma venda presencial. Na hora de finalizar a compra, ele informa os meios de pagamento, que são PIX e as carteiras digitais. O cliente escolhe a opção que quer pagar e o lojista manda o link de pagamento. Assim que a transação é feita, a confirmação aparece na tela do PDV. 

Com um sistema automatizado, a solução é desenhada da mesma forma como foi feito com o case do BK (confira uma demonstração no vídeo acima). “Nessas situações o lojista tem um sistema de vendas específico no WhatsApp que geralmente tem um chatbot conectado nele. Nesse modelo, a solução da Shipay fica conectada a esse sistema de venda em que todo o processo é feito dentro do WhatsApp. Esse é um canal automatizado, com chatbot, conforme o cliente vai interagindo com o robô, ele mesmo dá as opções de produtos e de pagamentos”, explica Hagler. Nesse formato, as opções de pagamento também são por PIX e carteiras digitais. 

Uma grande vantagem para o consumidor em comprar dessa forma, além da praticidade, é a possibilidade de aproveitar cashbacks e outros descontos especiais oferecidos pelas carteiras. O case do BK traz um grande aprendizado, já que a experiência foi desenhada de uma forma moderna, ágil e conectada com as novas tecnologias, totalmente aderente com o que busca a geração Z. Quer conferir como funciona? Experimente pedir o seu lanche pelo Zap do BK (11) 2222-7000. Você faz sua compra em poucos segundos, sem complicações, com uma interação fluida e linguagem leve. 

Ideal para food services

Hagler acrescenta a vantagem das vendas pelo WhatsApp especialmente para as empresas do segmento de alimentação, como padarias, fast foods, restaurantes, bares, etc. “Negócios com um portfólio grande de produtos (como supermercados) não são tão aderentes a este formato, porque o operador ou o robô teriam que apresentar um catálogo enorme de produtos para o cliente, isso complica a interação. Nos food services, tanto o robô quanto o operador não precisam dar tantas opções ao cliente, então a solução tende a funcionar melhor”, explica. 

Ele também pontua que neste momento de pandemia o canal do WhatsApp ganha uma relevância maior, tendo em vista que a ferramenta é amplamente utilizada pela população e as empresas conseguem fugir das taxas e comissões cobradas por plataformas de delivery. Além disso, o lojista também reduz possibilidades de erros e imprevistos nas vendas. “Nas plataformas de delivery, há opções em que o cliente paga na hora e isso pode causar problemas, desencontros entre o entregador e o cliente, cartões com erro, problemas com maquininhas, etc. Pelo WhatsApp, a pessoa paga pelo pedido antecipadamente e o lojista não fica na mão com imprevistos que poderiam acontecer”, comenta. 

Quer aumentar as vendas da sua empresa nesse período de lockdown? Faça a sua integração para receber pagamentos digitais pelo WhatsApp!

Estratégia omnichannel para lojas

Estratégia omnichannel para lojas

A comunicação é essencial para as vendas em qualquer tipo de negócio. Uma estratégia de omnichannel pode ajudar a gerar mais vendas para sua loja, alinhando os canais físico e online da sua empresa.

Um exemplo recente divulgado pela Forbes mostra a potência de uma estratégia de omnichannel para o varejo. A revista mostrou que a rede varejista Magazine Luiza conseguiu aumentar suas vendas em 241% no digital e 51% em lojas físicas, entre 2015 e 2018, com ações voltadas ao omnichannel.

Consumidores devem mesclar modelos de compras em 2021

Durante a pandemia, o e-commerce ganhou muito destaque. As medidas de isolamento social fizeram os consumidores perceberem a praticidade e a rapidez que as compras online possuem.

Porém, num mundo pós-pandemia talvez essa tendência não se sustente.

É o que indica uma pesquisa realizada pela Social Miner em parceria com a Opinion Box. O estudo aponta que a maioria das pessoas devem mesclar os modelos de compras em 2021.

Os dados mostram que apenas 14% dos entrevistados disseram que irão comprar somente por e-commerce no próximo ano, uma queda de 2% em comparação com a pesquisa realizada em 2019.

Outros 35% disseram que farão compras exclusivamente em lojas físicas, uma queda de 20%.

O que chamou atenção é que o percentual de pessoas que afirmaram mesclar compras online com físicas em 2021 foi de 49%, um aumento de 20% em relação a 2019. Especialistas apontam que o omnichannel será uma tendência no próximo ano.

Como implementar uma estratégia omnichannel?

O omnichannel pode ser implementado de diferentes formas, basta que a estratégia foque na integração de serviços e plataformas oferecidas pelo negócio. Abaixo, vamos listar algumas dicas para colocar essa estratégia em prática, confira:

Otimização do atendimento em diversos canais

Um dos primeiros passos de uma estratégia de omnichannel é integrar as plataformas de uma empresa. Diversos canais como redes sociais, SAC, lojas físicas e outros devem ser um só, se comunicando entre si para otimizar a experiência de compra.

Isso requer um atendimento focado em oferecer o mesmo suporte de comunicação e vendas para os diferentes canais de marketing e vendas da empresa.

Disponibilizar diversos meios de pagamentos em diferentes canais

Com novas tecnologias chegando ao mercado em 2020, como o início da operação do PIX e a maior participação de carteiras digitais, por exemplo, é preciso adotar uma solução que integre tanto no PDV como no e-commerce diversos meios de pagamentos.

Você deve dar a opção de o cliente pagar com dinheiro em espécie, cartões de crédito e débito ou através de carteiras digitais e PIX. Isso facilita a aquisição dos produtos em todos os canais de vendas, diminuindo as desistências.

Exemplos de ações omnichannel

Algumas práticas adotadas por empresas dentro de uma estratégia omnichannel já são conhecidas e bem aceitas pelo público. Confira algumas delas abaixo:

Compre/reserve online e retire na loja

A “retirada na loja” se tornou uma prática bastante comum no e-commerce. Essa é uma forma do cliente ter o seu produto mais rápido, sem precisar esperar dias e ainda economizar dinheiro com frete, o que ajuda a estimular a compra.

Além da compra, outros tipos de negócios também já trabalham com a reserva online.
Assim, uma pessoa pode, por exemplo, reservar uma mesa em um restaurante ou marcar horário para cortar o cabelo pelo smartphone e chegar na loja na hora marcada, sem ter de esperar.

Logística reversa

Compras online geralmente possuem políticas de trocas e devolução complicadas. Uma forma omnichannel de fazer isto é o uso da logística reversa. Assim, se um produto não agradou o cliente, ele pode trocá-lo na loja mais perto de casa.

Isso também vale para compras em lojas físicas. Dessa maneira, o negócio facilita a vida do cliente que pode economizar na hora da troca, já que não tem que ir a um local distante para fazer a troca do produto.

Quais são as principais vantagens do omnichannel?

O omnichannel foca na integração de canais do negócio para otimizar a experiência do cliente. E isso traz inúmeras vantagens, mostraremos as principais abaixo:

Aumento das vendas

Com uma estratégia de omnichannel eficiente, uma empresa pode transformar todos os seus canais de interação em pontos de venda, tanto no físico como no online.

Isso facilita a vida do cliente, já que ele pode fazer pedidos, tirar dúvidas e fechar suas compras por diferentes canais.

Conveniência

O omnichannel traz mais praticidade para a vida do cliente.
Imagina que você tem um restaurante, um cliente que mora próximo a ele pode fazer um pedido online e retirar na loja pessoalmente, se não quiser esperar a entrega ou mesmo reservar uma mesa para refeição em seu estabelecimento.

É importante entender a cabeça dos clientes, identificar suas principais necessidades.

A estratégia de omnichannel foca em atacar as dores dos consumidores, assim ela implementa ações que resolvam os problemas, otimizando a experiência de compra.

Close Bitnami banner
Bitnami