Pagamentos digitais e PIX são o futuro do mercado de Food Service.

Pagamentos digitais e PIX são o futuro do mercado de Food Service.

A pandemia de coronavírus é um dos principais fatores para a aceleração do processo de transformação digital do mercado de Food Service. Com as medidas de isolamento social e a restrição das atividades presenciais, bares e restaurantes tem adotado os pagamentos digitais em seus estabelecimentos e sistemas de delivery.

Os pagamentos digitais aliado ao lançamento do PIX pelo Banco Central foram bastante adotados para a realização de pagamentos em 2020. De acordo com o estudo Generation Pay da fintech Worldpay, cerca de 40% dos brasileiros já adotaram o pagamento de compras via carteiras digitais.

Para entender melhor essa transformação, falamos com Wesley Fernando, proprietário da iDCS e com Charles Hagler, co-CEO da SHIPAY, um dos nossos principais parceiros.  Falamos com os profissionais sobre a parceria entre as empresas e o futuro do mercado de Food Service. Confira abaixo:

Como surgiu a parceria entre iDCS e SHIPAY?

Wesley explica que a parceria com a SHIPAY surgiu na pandemia. Segundo ele, a iDCS já acreditava que os pagamentos digitais são o futuro e que era necessário adotar as carteiras digitais em uma única plataforma de pagamento para facilitar a vida dos nossos clientes. Então, a parceria surgiu dessa necessidade de automatizar as operações dentro dos estabelecimentos.

Hagler completa explicando que a SHIPAY procurou a iDCS em meados de 2020 e ofereceu a integração de carteiras digitais em seu software de PDV, exatamente para atender a esta necessidade.

Qual é a importância de um sistema de PDV como o da iDCS para restaurantes?

Para Wesley Fernando, o sistema da iDCS é fundamental para um restaurante. “Com o nosso sistema, um estabelecimento ganha um leque de automações com uma única plataforma. Ele consegue ter todo o controle da parte operacional, estoque e finanças”, afirma o proprietário da empresa.

Já tivemos casos de clientes, por exemplo, que tem o controle de estoque por meio do nosso sistema no seu celular, deles estarem no mercado fazendo as compras de reposição e ao encontrar produtos baratos, eles checam a necessidade de estoque para gerar economia, ressalta o executivo.

Como a SHIPAY e a iDCS agregam valor ao setor de restaurantes?

A iDCS já tem muitos anos de prática no segmento de Food Service e com a parceria com a SHIPAY, a empresa consegue oferecer ainda mais vantagens para os donos de restaurantes, afirma Hagler.

Através da parceria com a SHIPAY, a iDCS passa a oferecer a seus clientes, o PIX e todas as carteiras digitais como PicPay, Ame, Mercado Pago, entre outras, integradas diretamente no sistema de caixa.

Com o recebimento das vendas via PIX, por exemplo, os varejistas conseguem aproveitar as taxas mais atrativas do novo sistema de pagamentos e com a integração SHIPAY/iDCS, ele consegue realizar vendas instantâneas sem dificuldades, explica o co-CEO da SHIPAY.

Segundo uma pesquisa da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), cerca de 61% dos estabelecimentos já instalaram o PIX e 37% já utilizam o meio para realizar pagamentos.  Para 43%, a principal barreira para não usar o PIX é a falta de integração com o sistema da loja, o que a integração SHIPAY/iDCS resolve.

Os pagamentos digitais são uma grande uma vantagem em relação as vendas com cartões de crédito e débito que ofertam taxas mais caras e nas transações em dinheiro em espécie, o que diminui as chances de perdas e desvios de valores, necessidade de troco, entre outras questões.

Outra vantagem de colocar as carteiras digitais é que elas oferecem diversos descontos por meio de sistemas de cashback e promoções, como acontece por exemplo, com as plataformas do Mercado Pago e da Ame Digital. Isso pode ajudar a fidelizar clientes, atraindo novos consumidores por meio das ações das próprias carteiras digitais, destaca Hagler. Além disso, com a integração SHIPAY/iDCS, o cliente também consegue gerar, pelo próprio PDV, o QR Code e o link de pagamento para realizar vendas por meio de aplicativos de mensagens como WhatsApp, por exemplo, o que é um grande benefício para quem faz vendas remotas ou sem a necessidade de deslocamento até o caixa do estabelecimento.

O futuro do mercado de Food Service está nos pagamentos digitais e instantâneos?

O mercado de Food Service como todos os outros setores do varejo vem passando por transformações e isso se acelerou após o início da pandemia de COVID-19.  

No caso do Food Service, as plataformas de delivery como Ifood e Rappi, eles criaram uma demanda importante para os restaurantes, principalmente no pico da pandemia. Porém, por outro lado, eles diminuem bastante a rentabilidade dos restaurantes por conta das altas taxas, ressalta Charles.

Charles explica que os pagamentos digitais possibilitam que os restaurantes façam seus próprios sistemas de delivery pelo WhatsApp, por exemplo. Isso dispensa a necessidade de participar de plataformas de delivery e assim cortando o intermediário, a rentabilidade aumenta.

O presidente da Abrasel-SP, Joaquim Saraiva, em entrevista a Gazeta do Povo, o uso do PIX representa uma redução significativa. Ele explica que enquanto em transações convencionais, a taxa aplicada fica entre 1% e 3% do valor da compra, no PIX a cobrança é de taxa zero ou de poucos centavos por transação.

Com a pandemia ainda em curso, existe ainda um desafio para os donos de restaurantes de recuperar a rentabilidade para melhorar a saúde financeira de seus negócios. E os pagamentos digitais e instantâneos servem para potencializar essa rentabilidade diminuindo a cobrança de taxas, por exemplo.

Conheça a iDCS!

Estamos há mais de 24 anos no Mercado!

A iDCS Automação ( Intelligence Data Cloud System ), é uma das principais desenvolvedoras de softwares de gestão exclusivos no ramo alimentício, contribuindo com a facilidade de gerenciamento de cada negócio.

Atendemos às necessidades específicas de cada cliente, oferecendo uma gestão eficiente para empresas de todos os portes.

Integrar Pix ao varejo pode garantir vantagem competitiva durante a Black Friday

Integrar Pix ao varejo pode garantir vantagem competitiva durante a Black Friday

Novo método de pagamento estará disponível oficialmente a partir do dia 16 de novembro. Entenda como seu varejo pode sair ganhando com a integração do Pix.

Depois de um período intenso de divulgação tanto por parte do Banco Central quanto pelas instituições financeiras, o Pix finalmente estará disponível para uso da população a partir do dia 16 de novembro.

Com tantos holofotes voltados para a nova ferramenta de transações, nada mais natural que neste primeiro momento tanto varejistas quanto clientes estejam transitando entre a curiosidade e as dúvidas a respeito do PIX.

Para conversar um pouco mais sobre essa nova realidade, na última terça-feira (10) a Data System, parceira da Shipay, realizou um Webinar que contou com a participação do nosso Co-CEO, Charles Hagler, com a diretora de gestão do franqueado da rede Constance, Rachel Mendonça, e com o gerente de novos negócios da Data System, Murilo Roland.

Este é o momento para os varejistas adequarem seus negócios para a realidade de distanciamento social, bem como se prepararem para recuperar o volume de vendas durante a Black Friday e o Natal.

Inovação e possibilidade de recuperação de vendas

Sabemos bem que o ano de 2020 foi de forte impacto para a economia em geral e o varejo não passou incólume pelos reflexos da pandemia de Covid-19. De portas fechadas durante um período maior do que se imaginava inicialmente, as estratégias de fortalecimento e sobrevivência vieram por meio do e-commerce na primeira etapa da reação ao momento.

E ainda que as compras online permaneçam em alta, neste momento de retomada do comércio físico, é necessário que a rotina também esteja adequada à realidade do novo normal.

“Antes mesmo do lançamento, já tínhamos um horizonte de 28 milhões de pessoas cadastradas no PIX. A tendência é de que esse número continue crescendo, todo mundo vai ter acesso. Na hora de pagar uma compra, o cliente vai acessar o app do banco, apertar o botão de PIX e já fazer o pagamento. O cliente consegue pagar respeitando o distanciamento social e as taxas são muito baratas para o varejistas”, comentou Hagler.

Vale lembrar que o Pix funcionará para transações de saldo, ou seja, no varejo a ferramenta poderá ser usada para substituir pagamentos no débito, dinheiro ou boleto bancário. As compras no crédito continuarão a cargo das carteiras digitais, bancos e operadoras de cartão.

Além do contexto da pandemia, que tende a acelerar as mudanças de comportamento de consumo por questões de segurança, Roland destacou um dado muito relevante em relação ao potencial dos pagamentos digitais, que é o amplo acesso a smartphones no Brasil. Isso representa um grande potencial de inclusão financeira e acesso a serviços financeiros que no passado estariam concentrados apenas em bancos tradicionais.

“Temos um país com 90% dos domicílios com aparelho telefônico. É uma realidade em que as pessoas têm mais acesso a um aparelho do que a serviços básicos”.

Tanto o contexto de pandemia quanto o acesso amplo a smartphones são pontos importantes de serem ressaltados porque potencializam a adesão mais ampla dos consumidores aos novos métodos de pagamento.

Aliás, pesquisa recente da consultoria de consumo e inovação Consumoteca apontou um alto índice de confiança do consumidor em relação a novos métodos de pagamentos oferecidos por lojistas. Isso favorece o cenário para o uso do PIX de uma forma mais ampla como método de pagamento.

E como o varejo pode acompanhar essas mudanças?

Visando preparar a rede da Constance para a aceitação do PIX como método de pagamento, Rachel Mendonça conta que tomou a iniciativa de entrar em contato com bancos e parceiros da rede para negociar melhores taxas e períodos de carência. Para quem não sabe, o Bacen estabeleceu que o PIX será isento de taxas para transações de Pessoa Física. No caso de Pessoa Jurídica, os pagadores também têm taxa zero, enquanto os estabelecimentos recebedores pagam taxa, que fica a cargo das instituições financeiras.

“O BC deixou livre para o mercado essa questão das taxas para Pessoa Jurídica, mas a tendência é que isso se acomode. Taxas agressivas não terão adesão (devido à concorrência intensa entre as instituições). Com tantas opções, o consumidor não precisa ficar atrelado a um banco específico”, avaliou Hagler.

Mendonça contou que conseguiu uma boa negociação para um período interessante de carência para as lojas de sua rede, e reforçou aos colegas varejistas que este é o momento ideal para negociar.

“Como ainda ninguém sabe qual será o volume de vendas, a gente conseguiu negociar uma carência para ter taxa zero com o uso do PIX e futuramente discutimos isso novamente. Esse é o momento de usar o poder de barganha e não aceitar qualquer proposta”, aconselhou.

Fôlego para o fluxo de caixa e preparação para a Black Friday

pagamentos digitais

Na rede, que conta hoje com 172 lojas espalhadas pelo país, ela estima que 30% das vendas são realizadas no débito e acredita que o cliente vai acabar preferindo fazer grande parte dessas transações via PIX.

Além disso, Mendonça explica também que os boletos bancários representam por volta de 10% dos pagamentos – e nesta modalidade o PIX vem com muita força para dar mais dinamismo para o varejista.

“As transações de débito costumam ser D+1 para compensação, no boleto é preciso esperar que o cliente pague e você ainda tem ali uma janela para compensação. O PIX é instantâneo, o valor entra em questão de segundos. Isso representa uma vantagem muito grande para o fluxo de caixa do varejista”, comentou.

Tendo em vista que estamos no mês da Black Friday e que em breve teremos o Natal, considerada a data comemorativa mais importante para o comércio, a preparação do varejo para o recebimento do PIX vem como uma grande vantagem competitiva para aumentar o volume de vendas.

Segurança nas transações via PIX

Um ponto que Hagler nota nas conversas constantes com varejistas é que ainda paira uma certa desconfiança em relação ao PIX. Com o uso da ferramenta no dia a dia, certamente esse receio vai ficando para trás, mas de toda forma a Shipay surge neste contexto para trazer mais segurança e praticidade aos varejistas que desejam receber pagamentos via PIX.

De que forma isso acontece? A solução integra o PIX ao PDV da loja, de um modo centralizado e simples de utilizar no dia a dia. Isso aumenta a segurança da transação porque acrescenta uma camada extra de verificação. Além disso, o varejista não tem a necessidade de logar no aplicativo do banco a cada vez que quiser receber um pagamento.

Pela tela do PDV ele gera o QR Code para o cliente e conclui a transação. Prático tanto para o cliente quanto para quem fica na operação do caixa. Faça a integração do seu PDV e aproveite a promoção que estamos oferecendo em parceria com a Data System e o Mercado Pago: garanta 3 meses de carência para usar o PIX com taxa zero.

Close Bitnami banner
Bitnami