Com piloto este ano pelo Bacen, como o real digital influencia no varejo?

Com piloto este ano pelo Bacen, como o real digital influencia no varejo?

Pelas estimativas do Banco Central, o Real digital deve entrar em circulação de fato em um prazo de 2 a 3 anos. Mas ainda neste ano veremos um projeto piloto em andamento . A stablecoin brasileira será uma extensão do dinheiro físico, mais estável, segura e com muitas possibilidades para o varejo.

O Brasil já tem notoriedade mundial no que diz respeito ao avanço dos meios de pagamento. O desenvolvimento do projeto do Real Digital significa um enorme salto. Não só tecnológico, mas também de novas possibilidades de modelos de negócios. Como informou recentemente o presidente do BC, Roberto Campos Neto. Neste breve artigo, vamos abordar alguns desses pontos, mas antes de mais nada é importante deixar clara uma distinção. 

Há quem ainda chame o real digital de criptomoeda, mas é preciso entender que há uma grande diferença. Quando lançado para a população, o real digital será uma stablecoin. Estamos falando de uma moeda pareada ao valor do real, regulada pelo Banco Central e com menos volatilidade em relação às criptomoedas. Já as criptomoedas são descentralizadas, ou seja, não são reguladas por bancos centrais ao redor do mundo e estão sujeitas a uma volatilidade maior. 

O modelo de negócio do Real digital

Sendo assim, podemos encarar o real digital como uma extensão do dinheiro físico. Porém totalmente aderente às novas possibilidades e avanços tecnológicos que estamos observando no mercado de pagamentos. Aliás, a própria moeda digital em si tem sido o foco de desenvolvimento de novos modelos de negócio. Como parte do desenvolvimento do projeto e demonstração de sua viabilidade, o BC lançou, no final do ano passado, uma edição específica do Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas focada no Real Digital. Nesse programa, no início de março, selecionaram nove projetos para implantação

Um dos exemplos de possibilidades com o real digital é a elaboração de contratos inteligentes. Esses permitem que o pagamento e a transferência de titularidade aconteçam simultaneamente. Também é possível criar contratos inteligentes para concessão de crédito, com mais alcance a pequenos empresários e maior possibilidade de fiscalização. Para além disso, estão sendo desenvolvidos modelos de negócios focados para uso com base em Internet das Coisas (IoT) e também para usar o dinheiro de forma programável. 

Mudanças esperadas com a chegada da Stablecoin

É um salto gigantesco, do ponto de vista do varejo, em termos de possibilidades de experiências inovadoras. Já que a tecnologia poderá ser usada para pagamentos em operações online e offline. Para garantir a segurança e a confiabilidade na moeda, o projeto obedece às regras de privacidade estabelecidas na LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). 

Um ponto relevante para trazer aqui também é a acessibilidade. A intenção do Banco Central é que o real digital possa reduzir o spread bancário e criar possibilidade de maior inclusão financeira a uma parcela da população que ainda não tem a cobertura ideal dos serviços bancários. Obviamente, do outro lado da balança, também existe o entendimento de que a digitalização da economia é gradual, já que boa parte da população ainda não tem acesso a novas tecnologias. Por isso a importância do que pontuei no início do artigo, de encarar o real digital como uma extensão do dinheiro físico. 

A Shipay vem acompanhando de perto o desenvolvimento do real digital, as discussões e possibilidades de modelos de negócio envolvidos neste projeto tão relevante para o mercado de pagamentos. Como grande aliado do varejo, estamos focados no desenvolvimento da stablecoin brasileira, com o objetivo de levar ao mercado varejista a possibilidade de utilizar o real digital no dia a dia das transações, uma vez que a moeda for oficialmente lançada.

Desafios do varejo: lições aprendidas e tendências importantes para o pós-pandêmico

Desafios do varejo: lições aprendidas e tendências importantes para o pós-pandêmico

Se há pouco mais de um ano o varejista tentava entender como iria se adaptar ao cenário imposto pela pandemia, no momento presente sua preocupação é decifrar que realidade é essa que o espera no cenário pós-pandêmico – que logo, logo está chegando.

Hoje, eu trazemos aqui um apanhado de considerações valiosas para o varejo, com destaque para alguns segmentos, como alimentação, farmácia, eletroeletrônicos e itens para a casa. As avaliações foram feitas com base no relatório “Tendências e Nova Realidade: 1 ano de Covid-19”, realizado pela consultoria KPMG. Para saber mais a fundo sobre tendências voltadas para o e-commerce, recomendo a leitura deste outro artigo

Se há pouco mais de um ano o varejista tentava entender como iria se adaptar ao cenário imposto pela pandemia, no momento presente sua preocupação é decifrar que realidade é essa que o espera no cenário pós-pandêmico – que logo, logo está chegando. Hoje, eu trago aqui um apanhado de considerações valiosas para o varejo, com destaque para alguns segmentos, como alimentação, farmácia, eletroeletrônicos e itens para a casa. As avaliações foram feitas com base no relatório “Tendências e Nova Realidade: 1 ano de Covid-19”, realizado pela consultoria KPMG. Para saber mais a fundo sobre tendências voltadas para o e-commerce, recomendo a leitura deste outro artigo

Food Services e itens para a casa (incluindo eletrônicos) tiveram caminhos divergentes com o confinamento das pessoas, mas passaram por aprendizados semelhantes. Enquanto o primeiro foi um dos mais afetados pelo fechamento do comércio, o outro trilhou um caminho de crescimento, com o investimento das pessoas em aumentar o conforto de suas casas e apartamentos. A semelhança do aprendizado foi em acelerar ainda mais a adoção/melhoria das plataformas digitais como forma de adaptação às restrições da pandemia. Como resultado, esses segmentos saem mais fortalecidos e preparados para um ambiente digital com muito mais protagonismo e relevância do que no período anterior à pandemia. 

Entre as tendências apontadas pela consultoria, vale o destaque para a recomendação de avançar na adoção de pagamentos digitais para atender a demanda dos consumidores. Dados da World Pay from Fis mostram que os pagamentos com dinheiro físico caíram mais de 34%na América Latina, na comparação entre 2020 e 2019. No Brasil, as cédulas foram usadas em apenas 35% das transações em 2020, contra 47% no ano anterior. Antes da Covid-19, as carteiras digitais respondiam por 14% dos checkouts online da América Latina. Durante a pandemia, esse percentual saltou para 46%. 

Importante também destacar a importância de rever os modelos de negócios. As marcas precisam demonstrar que possuem um propósito, que são sustentáveis, se engajar socialmente e ter uma preocupação real com o cliente. É preciso lembrar que boa parte do varejo não abrirá lojas físicas com o fim da pandemia, ou seja, o foco estará totalmente centrado nos canais digitais. 

No varejo físico, é necessário repensar toda a experiência do cliente. Quanto menos contato ele precisar ter ao longo de sua jornada, melhor para sua marca. É importante entender que não se trata apenas de abrir ou fechar o comércio, existe um comportamento de consumo que foi completamente modificado com a pandemia. É fundamental rever as experiências para que os consumidores se sintam à vontade e seguros. 

Como integradora de pagamentos, a Shipay é uma grande aliada do varejo. Nossas soluções permitem que o varejista aceite Pix e carteiras digitais, com integração direta em seus PDVs/ERPs, loja online ou canais digitais.

Base de usuários de carteiras digitais no mundo deve crescer 70% até 2025

Base de usuários de carteiras digitais no mundo deve crescer 70% até 2025

O Brasil é um país em que há mais celulares do que pessoas. Além disso, a média de uso diária é de 5 a 6 horas, o que supera a estimativa de uso diário no mundo. Esses são alguns dados que enchem de razão a diretora-geral do PayPal no Brasil, Paula Paschoal, quando ela diz que empresas que não buscam ambientes mais diversos estão fadadas ao sumiço.

De um modo geral, focamos aqui no que acontece no universo de pagamentos digitais para varejo, e-commerce e microempreendedores no Brasil, mas é importante também trazer algumas informações que dão uma pequena amostra da profundidade das transformações que estão acontecendo globalmente. 

Pesquisa recente da Juniper Research mostrou que a base de usuários de carteiras digitais deve saltar de 2,6 bilhões para 4,4 bilhões até 2025. A projeção de um crescimento de impressionantes 70% em tão pouco tempo leva em consideração o alinhamento entre comércio eletrônico e presencial. 

O crescimento acelerado também das criptomoedas tem movimentado bancos centrais ao redor do mundo, que se esforçam para criar moedas digitais que possam fazer frente às criptomoedas já existentes. O Banco Central da Inglaterra tem um projeto para lançar sua própria moeda digital, assim como a China também conta com um projeto já em fase avançada para lançamento do iuan digital.

O Banco de Compensações Internacionais (BIS) prevê grandes disrupções de mercado e mais competição com a entrada de novas moedas digitais criadas por bancos centrais. Além disso, esses países ganham mais agilidade para realizar pagamentos domésticos e internacionais. 

No Brasil, a chegada do Open Banking vem como a pavimentação de um caminho para grandes mudanças. A forma como negociamos, fazemos compras, interagimos com consumidores e nossos comportamentos financeiros de um modo geral estão mudando de modo drástico. Nada do que conhecemos permanecerá intacto. 

Para alguns, isso pode parecer assustador. Mas a grande verdade é que o mundo está sempre em constante mudança, a grande questão é que no curso da história estávamos mais acostumados a ver essas transformações acontecendo de um modo mais lento e alinhado ao nosso ritmo. Agora, essas transformações acontecem de um modo repentino, como respostas a grandes fenômenos globais, como é o caso do que estamos atravessando com a pandemia. 

Em um mundo que vem se digitalizando de ponta a ponta, é impossível pensar que os negócios que não se adaptarem a essas mudanças permanecerão sólidos. É como estar abaixo de uma grande onda e se recusar a nadar. 

A Shipay participa ativamente dessas mudanças, sempre de olho nas soluções que serão cruciais para o varejo estar bem preparado para crescer nessa nova realidade. Nosso objetivo é facilitar a entrada de recebimentos digitais em seu caixa do modo mais simples, fluido e natural possível. Afinal, esse é o melhor caminho para assimilar o novo. Quer integrar sua loja física ou virtual para receber pagamentos digitais?

Automações de PDV no Varejo

Automações de PDV no Varejo

O PDV é o serviço mais fundamental de uma loja varejista. E com isso é preciso ter um sistema de PDV integrado com diversas opções de pagamento para facilidade a vida de clientes e vender mais no dia a dia.

O sistema de Ponto de Venda é o checkout da loja física, ele é quem cuida da emissão de notas fiscais, recebimento de pagamentos e outros processos de vendas. Em outras palavras, o PDV faz a ponte entre a empresa e o consumidor e é crucial para facilitar novas compras.

Para que serve o PDV?

Com a pandemia, os hábitos de consumo mudaram bastante no último ano. Buscando maneiras de realizar pagamentos sem contato físico, o PDV se tornou importante para facilitar a frente de caixa. Com o “boom” das carteiras digitais e do PIX no Brasil, a integração do sistema com estes serviços facilita o processo de compra e evita a perda de vendas. Assim, a venda é toda feita por QR Code sem contato, apenas apontando o celular para o código.


Além da venda, o PDV também facilita a contagem das vendas via carteiras digitais no fechamento do caixa e atualiza o estoque em tempo real. O PDV também serve para enviar os cupons fiscais, que obrigatoriamente devem ser emitidos por todas as empresas. O sistema também ajuda no monitoramento de estoque, uma das principais dificuldades para quem está começando. Essa automação é muito importante para a organização e a gestão financeira da empresa, já que antes essa parte era feita de forma manual.


Ao adotar um sistema de PDV, você consegue registrar entradas e saídas de estoque em tempo real e isso evita erros, retrabalho e o desperdício. Dessa maneira, a empresa pode focar na compra dos produtos de maior saída, monitorando o estoque e organizando as compras de reposição com eficiência e rapidez.
Com uma gestão automatizada pelo PDV, a tendência é que a empresa reduza custos desnecessários e realiza investimentos preciso para o crescimento da marca. O PDV garante a realização de todos os processos de vendas, do início ao fim e isso é essencial para os varejistas, principalmente para pequenas e médias empresas.


Qual é a importância do PDV?

O PDV é o sistema que controla todas as vendas da loja, por isso é de suma importância para o varejo. O sistema ajuda a melhorar a experiência de compra dos clientes e otimiza a gestão financeira do negócio. Quem utiliza o PDV em sua loja possui diversas vantagens no dia a dia. A primeira delas é o fim dos problemas com o Fisco. A legislação brasileira é bastante rigorosa e ter um software que atualiza as vendas em tempo real e emite cupons fiscais é fundamental para estar sempre com todas as pendências físicas em dia.


O sistema também traz simplicidade para as vendas, é mais ágil e seguro, o que traz mais confiança para os clientes. Isso ajuda a loja a aumentar as vendas e fidelizar clientes já no curto prazo.Muitos sistemas de PDV também garantem o funcionamento offline, o que é essencial para lojas que queiram economizar com internet ou fiquem em áreas com sinal instável.

Outra praticidade do PDV é a possibilidade de integração com outros softwares com o da SHIPAY, o que pode facilitar ainda mais no dia a dia e agregar muitos outros benefícios ao dia a dia da loja.


A integração entre diferentes softwares é essencial para facilitar a vida dos gestores, já que tudo passa de um sistema para o outro, automaticamente, o que gera uma economia de tempo e uma praticidade fundamental para pensar mais no negócio.


PDV com integração pagamentos digitais no varejo.

A integração do PDV com a solução da SHIPAY para pagamentos digitais é essencial para os varejistas brasileiros em 2021. Atualmente, já existem mais de 30 carteiras digitais no país e esse número tende a crescer até o fim do ano. Fora isso, ainda há o PIX, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, que virou “febre” entre os brasileiros em pouquíssimo tempo.

As expectativas pelas carteiras digitais no mercado são gigantes. O relatório da Global Payments Report de 2018, aponta que o uso das carteiras digitais na América Latina deve mais do que triplicar até 2022.

E a pandemia de COVID-19 está sendo fundamental para acelerar esse processo, expandindo as opções de pagamentos no mercado com o crescimento absurdo das carteiras digitais.

Como o pagamento com carteiras digitais não exige contato físico entre vendedor e cliente, este meio está sendo bastante utilizado neste período e tudo indicar que irá virar rotina.


E além de oferecer uma experiência mais segurança e 100% digital, as carteiras digitais ainda trazem outras vantagens como descontos em compras, sistemas de cashback e controle dos gastos por aplicativo no smartphones.

É muita praticidade! O sistema de PDV no varejo precisa contar com uma integração para pagamentos digitais em 2021.

Close Bitnami banner
Bitnami