WhatsApp Pay estreia oficialmente como novo sistema de pagamentos no Brasil

WhatsApp Pay estreia oficialmente como novo sistema de pagamentos no Brasil

A partir desta terça-feira (4), o WhatsApp Pay inicia o funcionamento de seu sistema de pagamentos para usuários brasileiros. A novidade está sendo distribuída de forma gradual para o público local (um dos primeiros a recebê-la) e deve estar disponível para todas as pessoas físicas dentro das próximas semanas.

Segundo o comunicado emitido pelo Facebook, empresa proprietária do WhatsApp, os pagamentos para empresas vão chegar em um momento futuro, assim que a aprovação necessária for liberada. O CEO da companhia, Mark Zuckerberg, afirmou que o Brasil foi um dos primeiros países do mundo escolhidos porque ele sabe o quanto o comunicador é importante por aqui.

O diretor de operações do WhatsApp, Matt Idema, explica que o sistema facilita o envio e o recebimento de dinheiro de forma segura, evitando a exposição à pandemia do COVID-19. Inicialmente, o aplicativo vai permitir o pagamento com cartões de débito, pré-pago ou combo do Banco do Brasil, Banco Inter, Bradesco, Itaú, Mercado Pago, Next, Nubank, Sicredi e Woop Sicredi com bandeiras MasterCard e Visa — as operações serão conduzidas pela Cielo e se baseiam em um modelo aberto para outras empresas parceiras.

Como funciona

Todas as operações são feitas através do Facebook Pay, que oferece diversas camadas de segurança — incluindo soluções de biometria em aparelhos compatíveis e PIN — para garantir a tranquilidade dos usuários. Inicialmente, a empresa também estabeleceu limites para os valores e quantidades de transações que podem ser feitas durante cada dia.

Segundo o WhatsApp, há um limite de envio de até R$ 1 mil por transação e até 20 recebimentos poderão ser feitos por mês (com um limite total de R$ 5 mil), sendo que os valores podem variar conforme o banco parceiro. Além disso, só será possível fazer pagamentos e transferências com moeda local e é preciso ter um número de telefone do Brasil para usar o novo serviço.

Fonte: Canaltech

Quero vender pelo WhatsApp, como a Shipay pode me ajudar?

Quero vender pelo WhatsApp, como a Shipay pode me ajudar?

Solução da Shipay é flexível e pode ser utilizada tanto por grandes redes quanto por pequenos e micro varejistas. Saiba como vender 100% remoto via WhatsApp.

Com 120 milhões de usuários no Brasil, o potencial de alcance do Whatsapp é sem dúvidas impressionante. Em empresas, já há algum tempo a ferramenta vem sendo utilizada como um canal de suporte ao cliente bem funcional, desde o surgimento do WhatsApp Business. O mais interessante é que a ferramenta também pode ser um canal promissor de vendas, mas sabemos que essa função ainda é pouco explorada no país. 

De um modo geral, temos empresas se adiantando para estruturar o Whatsapp como um canal de vendas automatizado, como é o caso do Burger King, que vamos explicar um pouco mais neste artigo. Em outra ponta, temos empresas de menor porte usando o WhatsApp de forma improvisada como canal de vendas. De olho neste mercado, a Shipay percebeu uma oportunidade para auxiliar varejistas e microempreendores a melhorarem suas experiências de venda usando o Whatsapp. Hoje, você vai entender como pode usar a ferramenta de bate papo para impulsionar e modernizar as vendas da sua empresa.

Passo a passo para pagar pelo WhatsApp

O sistema da Shipay permite que o lojista faça pagamentos direto dentro do WhatsApp usando link de pagamento, seja o link do PIX (copia e cola), ou das carteiras digitais. A grande vantagem é que o cliente pode pagar dentro do WhatsApp e o lojista tem a confirmação em tela direto no PDV dele. Ou seja, tudo que for vendido é conciliado no sistema da loja.

Outro lado vantajoso para os lojistas é que com o sistema da Shipay os links de pagamento permanecem com suas taxas originais. O que isso significa? Os adquirentes também conseguem mandar links de pagamento, a diferença é que cobram uma taxa por isso, o que acaba deixando o serviço mais caro. Com a Shipay, as taxas originais dos links de pagamento, seja do PIX ou das carteiras, são mantidas. a

Duas formas de integrar os pagamentos para necessidades diferentes

O sistema da Shipay é flexível e pode ser integrado de duas formas diferentes: dentro de sistemas automatizados ou integrado ao PDV da loja. O primeiro formato é mais adequado para grandes grupos, enquanto o segundo funciona muito bem para varejistas de pequeno porte. “A solução da Shipay pode ser usada em empresas de todos os tamanhos. Os canais automatizados, que contam com chatbots, são sistemas caros, normalmente desenvolvidos por grandes redes, como é o caso do Burger King. Em uma operação menor, uma pessoa só consegue gerenciar todo o processo e funciona de um jeito lindo. O cliente faz a compra de forma 100% remota e a confirmação do pagamento é feita na tela do PDV, como se o cliente estivesse lá presencialmente.” explica Charles Hagler, Co-Ceo da Shipay. 

Essa é uma alternativa versátil e extremamente útil principalmente em um momento de lockdown. Além disso, uma vez que o cliente experimenta comprar via WhatsApp, a tendência é de que continue pagando dessa forma, já que é muito mais prático. 

O formato integrado ao PDV funciona assim: o cliente e operador começam a conversar pelo WhatsApp e o lojista oferece as opções que ele tem para comprar. À medida que o cliente vai escolhendo o que quer, o lojista vai registrando no caixa, como se estivesse fazendo uma venda presencial. Na hora de finalizar a compra, ele informa os meios de pagamento, que são PIX e as carteiras digitais. O cliente escolhe a opção que quer pagar e o lojista manda o link de pagamento. Assim que a transação é feita, a confirmação aparece na tela do PDV. 

Com um sistema automatizado, a solução é desenhada da mesma forma como foi feito com o case do BK (confira uma demonstração no vídeo acima). “Nessas situações o lojista tem um sistema de vendas específico no WhatsApp que geralmente tem um chatbot conectado nele. Nesse modelo, a solução da Shipay fica conectada a esse sistema de venda em que todo o processo é feito dentro do WhatsApp. Esse é um canal automatizado, com chatbot, conforme o cliente vai interagindo com o robô, ele mesmo dá as opções de produtos e de pagamentos”, explica Hagler. Nesse formato, as opções de pagamento também são por PIX e carteiras digitais. 

Uma grande vantagem para o consumidor em comprar dessa forma, além da praticidade, é a possibilidade de aproveitar cashbacks e outros descontos especiais oferecidos pelas carteiras. O case do BK traz um grande aprendizado, já que a experiência foi desenhada de uma forma moderna, ágil e conectada com as novas tecnologias, totalmente aderente com o que busca a geração Z. Quer conferir como funciona? Experimente pedir o seu lanche pelo Zap do BK (11) 2222-7000. Você faz sua compra em poucos segundos, sem complicações, com uma interação fluida e linguagem leve. 

Ideal para food services

Hagler acrescenta a vantagem das vendas pelo WhatsApp especialmente para as empresas do segmento de alimentação, como padarias, fast foods, restaurantes, bares, etc. “Negócios com um portfólio grande de produtos (como supermercados) não são tão aderentes a este formato, porque o operador ou o robô teriam que apresentar um catálogo enorme de produtos para o cliente, isso complica a interação. Nos food services, tanto o robô quanto o operador não precisam dar tantas opções ao cliente, então a solução tende a funcionar melhor”, explica. 

Ele também pontua que neste momento de pandemia o canal do WhatsApp ganha uma relevância maior, tendo em vista que a ferramenta é amplamente utilizada pela população e as empresas conseguem fugir das taxas e comissões cobradas por plataformas de delivery. Além disso, o lojista também reduz possibilidades de erros e imprevistos nas vendas. “Nas plataformas de delivery, há opções em que o cliente paga na hora e isso pode causar problemas, desencontros entre o entregador e o cliente, cartões com erro, problemas com maquininhas, etc. Pelo WhatsApp, a pessoa paga pelo pedido antecipadamente e o lojista não fica na mão com imprevistos que poderiam acontecer”, comenta. 

Quer aumentar as vendas da sua empresa nesse período de lockdown? Faça a sua integração para receber pagamentos digitais pelo WhatsApp!

O que se sabe até agora sobre o WhatsApp Pay?

O que se sabe até agora sobre o WhatsApp Pay?

Entre as várias carteiras digitais existentes hoje, uma ainda em fase de testes desperta a curiosidade nas pessoas: o WhatsApp Pay ou em português Whatsapp Pagamentos. O anúncio da ferramenta foi feito no dia 15 de junho, mas poucos dias depois o Banco Central suspendeu a liberação.

Na época, a justificativa dada foi de preservar o ambiente competitivo. No início de agosto, o Bacen se manifestou novamente, desta vez com uma nota em que afirmou liberar os testes da ferramenta, desde que não fossem executadas transações reais entre usuários.
No início de setembro, o presidente da instituição, Roberto Campos Neto, afirmou à agência de notícias Bloomberg que a ferramenta será liberada para uso.

A entrada do Whatsapp Pay no Brasil

Enquanto esse imbróglio não é resolvido, vale a pena entendermos o que se sabe até então sobre a entrada do WhatsApp Pagamentos no Brasil. Segundo informações divulgadas no site do próprio WhatsApp, inicialmente o recurso de pagamentos ficará disponível para correntistas das instituições parceiras NuBank, Banco do Brasil, Sicredi e Woop (conta digital do Sicredi).

As transações via débito e crédito ficarão disponíveis para usuários do Whatsapp Business, para contas comuns a opção de pagamentos ficará disponível no modo débito.

Da forma como vem sendo desenvolvido, o aplicativo permitirá que as pessoas façam transações dentro das próprias conversas, com o cartão cadastrado no app. Nas configurações do aplicativo, o usuário poderá conferir o histórico de todas as transações feitas. Para fazer a validação de segurança das transações, a plataforma vai usar o PIN do Facebook Pay ou o recurso de biometria do celular para aprovar o envio do dinheiro.

Estimativas Whatsapp Pay

Estimativa feita pelo portal Canaltech aponta que cerca de 51 milhões de pessoas devem usar o WhastApp como forma de pagamento, com a tendência dessa base crescer em função da aceleração do uso de pagamentos digitais em função da Covid-19. Ao todo, o WhatsApp tem uma base de 130 milhões de usuários no Brasil.

Um fator que pode ser um entrave para uma adesão mais expressiva da plataforma como meio de pagamento são os custos, a depender do tipo de transação feita. É prevista uma taxa fixa de 3,99% por transação realizada por comerciantes. O processamento das transações será de responsabilidade da Cielo, que normalmente cobra taxas de 2,39% para débito e 4,99% para crédito.

Com a entrada do PIX já bem estruturada, divulgada pelo Banco Central e pelas principais instituições financeiras, o alcance do WhatsApp Pagamentos pode sofrer impacto uma vez que for liberado. Em contrapartida, o aplicativo conta com a vantagem de já fazer parte do dia a dia da maioria dos brasileiros, o que pode representar uma certa vantagem para a plataforma.

Até o final do ano teremos uma noção mais clara de quais serão os formatos com mais adesão da população. Em todo caso, é animador ver crescer o movimento de pagamentos digitais no Brasil, tendo em vista as virtudes que o brasileiro tem no sentido de se mostrar aberto a novidades tecnológicas. A #Shipay se posiciona como aliada dos varejistas para que estejam preparados nesse processo de transformação digital.

Close Bitnami banner
Bitnami