Sistema de Gestão é peça essencial na adesão do varejo aos pagamentos digitais

Sistema de Gestão é peça essencial na adesão do varejo aos pagamentos digitais

Novos meios de pagamentos como QR Code e PIX estão se popularizando rapidamente no Brasil. Como um dos setores mais importantes da economia brasileira, o varejo está caminhando para a implementação dos novos meios de pagamento.

A tendência de adesão do varejo é impulsionada pela vontade dos consumidores. Dados do IPEC, antigo IBOPE, apontam que 67% dos brasileiros querem pagar suas compras em estabelecimentos comerciais com o PIX. 

Para dar suporte a adoção de novos meios de pagamento, contar com um Sistema de Gestão para Varejo é um ponto fundamental para facilitar bastante o pagamento e a gestão do negócio no dia a dia, tanto em lojas físicas como no e-commerce. 

Os novos meios de pagamentos se tornaram realidade rapidamente. O PIX, por exemplo, se consolidou como um dos principais meios de pagamento no país em apenas seis meses de operação. 

O Banco Central aponta que mais de 75 milhões de brasileiros usaram o PIX, movimentando R$ 1,109 trilhões em cerca de 1,547 bilhões de transações realizadas no período, superando o volume de transações em TED, DOC, boleto e cheque. 

Uma das parcerias para otimizar a gestão no varejo que tem se destacado no mercado é entre a CIGAM e a SHIPAY. Ambas as empresas buscam trazer soluções inovadoras que facilitem a gestão de negócios. 

Conversamos com a gestora comercial da CIGAM, Lauren Zitzke, que explicou mais sobre a parceria e enfatizou a necessidade do sistema de gestão no varejo para otimizar a experiência de compra dos consumidores e facilitam a gestão do negócio. Confira a entrevista abaixo:

Como surgiu a CIGAM?

A CIGAM iniciou suas atividades em 1986 através da parceria de dois jovens apaixonados por tecnologia e inovação e que eram estudantes da Fundação Liberato Salzano Vieira da Cunha de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul, no qual receberam destaque pela participação da 1º Mostratec (Feira Internacional de Ciência e Tecnologia).

Ao longo do tempo chegaram mais dois sócios e nos últimos 20 anos a empresa vem se fortalecendo nacionalmente através de parceiros comerciais estabelecidos em todo o país.

Tendo como propósito impulsionar o sucesso dos negócios e das pessoas, a CIGAM atua como agente da transformação digital, levando inovação, tecnologia, gestão e informação para todo o ecossistema empresarial, oferecendo as soluções de ERP, CRM, BI, RH, PDV e MOBILE.

Qual é a missão da CIGAM?

A missão da empresa é promover o crescimento e maiores resultados de negócios, aumentando a produtividade com soluções inovadoras e fáceis de usar.

Como surgiu a parceria entre SHIPAY e CIGAM?

A oportunidade surgiu como intuito das empresas em fomentar novas oportunidades e um maior alcance de tecnologias para clientes de ambos os negócios.

Qual é o impacto do PIX no mercado de varejo?

O PIX vem para dar amplo alcance, velocidade e facilidade para as operações comerciais. O novo meio de pagamento traz muito mais facilidade para o usuário, e claro, mais segurança nesta época de pandemia.

No que a SHIPAY agrega as soluções da CIGAM?

A SHIPAY agrega mais tecnologias nas operações do Cigam Lojas e Franquias, ofertando um amplo alcance nas formas de recebimento para os lojistas.

Qual é a importância de um sistema de gestão para o varejo?

O Sistema de Gestão para Varejo agrega aos negócios conceitos de gestão, integração da empresa, velocidade e flexibilidade na análise de informações e suas operações como um todo, além de aumento de oportunidades de produtividade e rentabilidade.

Como a CIGAM tem se adaptado aos novos meios de pagamento?

Sempre estamos atentos as novidades do mercado, a CIGAM evolui suas soluções para que os seus clientes estejam à frente e preparados para a transformação digital. Além dos meios padrões de pagamento, já estamos preparados para PIX e para as demais carteiras digitais.

Qual é o feedback dos clientes da CIGAM sobre os novos meios de pagamento?

O feedback dos clientes é que conseguimos dar um amplo leque de possibilidades de formas de recebimentos, além de oferecer aos usuários do Cigam Lojas e Franquias operações do varejo antenadas e modernas, acompanhando toda a transformação das metodologias de recebimento pelas vendas de produtos.

Quais são as principais tendências para o mercado de varejo?

O varejo passa por uma grande transformação digital e reformulação de suas práticas de trabalho. A loja física não é mais o limite de venda e compra de produtos, diversas frentes de oferta de produtos em múltiplos canais, amplos formatos de vendas, assim como muitas formas de recebimento.

De acordo com o estudo “Meio de Pagamento: QR Code – Na visão dos consumidores e das empresas varejistas”, realizado pela SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo) e a AGP Pesquisas, 82% dos varejistas pretendem adotar o PIX e os pagamentos por QR Code em seus negócios em até 12 meses. 

Nesse crescimento exponencial dos meios de pagamentos digitais no varejo, o sistema de gestão para varejo é fundamental para facilitar a operação do negócio. Assim, o varejista pode unir a facilidade no pagamento com uma gestão eficiente da empresa. Esse é o caminho para aderir ao PIX, QR Code e outros meios de pagamento com rapidez e eficiência. 

Desafios do varejo: lições aprendidas e tendências importantes para o pós-pandêmico

Desafios do varejo: lições aprendidas e tendências importantes para o pós-pandêmico

Se há pouco mais de um ano o varejista tentava entender como iria se adaptar ao cenário imposto pela pandemia, no momento presente sua preocupação é decifrar que realidade é essa que o espera no cenário pós-pandêmico – que logo, logo está chegando.

Hoje, eu trazemos aqui um apanhado de considerações valiosas para o varejo, com destaque para alguns segmentos, como alimentação, farmácia, eletroeletrônicos e itens para a casa. As avaliações foram feitas com base no relatório “Tendências e Nova Realidade: 1 ano de Covid-19”, realizado pela consultoria KPMG. Para saber mais a fundo sobre tendências voltadas para o e-commerce, recomendo a leitura deste outro artigo

Se há pouco mais de um ano o varejista tentava entender como iria se adaptar ao cenário imposto pela pandemia, no momento presente sua preocupação é decifrar que realidade é essa que o espera no cenário pós-pandêmico – que logo, logo está chegando. Hoje, eu trago aqui um apanhado de considerações valiosas para o varejo, com destaque para alguns segmentos, como alimentação, farmácia, eletroeletrônicos e itens para a casa. As avaliações foram feitas com base no relatório “Tendências e Nova Realidade: 1 ano de Covid-19”, realizado pela consultoria KPMG. Para saber mais a fundo sobre tendências voltadas para o e-commerce, recomendo a leitura deste outro artigo

Food Services e itens para a casa (incluindo eletrônicos) tiveram caminhos divergentes com o confinamento das pessoas, mas passaram por aprendizados semelhantes. Enquanto o primeiro foi um dos mais afetados pelo fechamento do comércio, o outro trilhou um caminho de crescimento, com o investimento das pessoas em aumentar o conforto de suas casas e apartamentos. A semelhança do aprendizado foi em acelerar ainda mais a adoção/melhoria das plataformas digitais como forma de adaptação às restrições da pandemia. Como resultado, esses segmentos saem mais fortalecidos e preparados para um ambiente digital com muito mais protagonismo e relevância do que no período anterior à pandemia. 

Entre as tendências apontadas pela consultoria, vale o destaque para a recomendação de avançar na adoção de pagamentos digitais para atender a demanda dos consumidores. Dados da World Pay from Fis mostram que os pagamentos com dinheiro físico caíram mais de 34%na América Latina, na comparação entre 2020 e 2019. No Brasil, as cédulas foram usadas em apenas 35% das transações em 2020, contra 47% no ano anterior. Antes da Covid-19, as carteiras digitais respondiam por 14% dos checkouts online da América Latina. Durante a pandemia, esse percentual saltou para 46%. 

Importante também destacar a importância de rever os modelos de negócios. As marcas precisam demonstrar que possuem um propósito, que são sustentáveis, se engajar socialmente e ter uma preocupação real com o cliente. É preciso lembrar que boa parte do varejo não abrirá lojas físicas com o fim da pandemia, ou seja, o foco estará totalmente centrado nos canais digitais. 

No varejo físico, é necessário repensar toda a experiência do cliente. Quanto menos contato ele precisar ter ao longo de sua jornada, melhor para sua marca. É importante entender que não se trata apenas de abrir ou fechar o comércio, existe um comportamento de consumo que foi completamente modificado com a pandemia. É fundamental rever as experiências para que os consumidores se sintam à vontade e seguros. 

Como integradora de pagamentos, a Shipay é uma grande aliada do varejo. Nossas soluções permitem que o varejista aceite Pix e carteiras digitais, com integração direta em seus PDVs/ERPs, loja online ou canais digitais.

Entenda porque o seu negócio tende a melhorar os resultados com pagamentos digitais

Entenda porque o seu negócio tende a melhorar os resultados com pagamentos digitais

Ver o mercado de pagamentos digitais crescendo me traz satisfação não apenas pelo crescimento que a Shipay vem conseguindo neste processo, mas também por perceber claramente como o varejo pode se beneficiar com esse movimento.” – Luiz Coimbra . Co – CEO da Shipay.

Desde o início das atividades da Shipay, o foco sempre foi apoiar os varejistas e simplificar os pagamentos. Recentemente, nosso parceiro Sterna Café estampou uma reportagem da Folha de São Paulo que tratava justamente sobre como os pagamentos digitais estão facilitando a operação de pequenos negócios. 

Na matéria, a empresária e franqueada da rede, Valdirene Andrade, relatou que o sistema da Shipay facilitou muito o fechamento de caixa da loja, porque a integração alimenta o sistema de caixa automaticamente. Quando ela recebe pagamentos via cartão, por exemplo, é preciso fazer os lançamentos de modo manual. Outra informação importante compartilhada por ela à reportagem é de que, em média, a opção pelos pagamentos digitais tem crescido 15% por mês. A adesão crescente está em linha com o resultado de pesquisa feita pelo Ipec a pedido do C6 Bank: 67% dos brasileiros querem pagar suas compras no varejo com PIX

Os benefícios dos pagamentos digitais não se limitam às pequenas, médias e grandes empresas, os microempreendedores têm muitas vantagens ao oferecerem essas opções aos seus clientes. O primeiro deles é a economia de custos, tendo em vista que a operação é muito mais barata em relação aos métodos de pagamento tradicionais. Ainda que o Banco Central permita que instituições financeiras cobrem taxa pelo PIX, a concorrência acirrada faz com que a maioria das instituições mantenham as taxas muito baixas ou até mesmo isentam o comerciante dessa cobrança. No caso das carteiras digitais, o princípio é parecido e o custo é muito mais competitivo em relação aos pagamentos em crédito, débito e via boleto. 

A reportagem da Folha mostra ainda que dos 11,6 milhões de microempreendedores individuais cadastrados no Brasil, 69,4% já possuem chave PIX. Da mesma forma como a Shipay oferece soluções para varejistas de todos os portes, também temos soluções focadas nas operações dos microempreendedores. Isso facilita o recebimento de valores via PIX e carteiras digitais, com integração direta com o sistema que o microempreendedor utiliza. A grande vantagem é poder oferecer aos clientes a opção de pagar com QR Code, seja em loja física ou virtual. 

Tendo em vista a preferência dos brasileiros em usar o PIX como forma de pagamento, este é um grande diferencial para micro empresários, especialmente em um momento como o que estamos atravessando. Economia de custos e recuperação das vendas são as prioridades do microempreendedor neste momento. Vale lembrar que somente de março a julho de 2020, o Brasil teve um crescimento de 20% no número de MEIs em relação ao mesmo período de 2019. Ao todo, foram 600 mil novos entrantes, todos em busca de oportunidades com as novas demandas da pandemia. 

E neste aspecto, não dá para negar que os pagamentos digitais chegaram para ficar, tendo em vista que dão mais segurança ao cliente com as mudanças de comportamento em função do distanciamento social.

Base de usuários de carteiras digitais no mundo deve crescer 70% até 2025

Base de usuários de carteiras digitais no mundo deve crescer 70% até 2025

O Brasil é um país em que há mais celulares do que pessoas. Além disso, a média de uso diária é de 5 a 6 horas, o que supera a estimativa de uso diário no mundo. Esses são alguns dados que enchem de razão a diretora-geral do PayPal no Brasil, Paula Paschoal, quando ela diz que empresas que não buscam ambientes mais diversos estão fadadas ao sumiço.

De um modo geral, focamos aqui no que acontece no universo de pagamentos digitais para varejo, e-commerce e microempreendedores no Brasil, mas é importante também trazer algumas informações que dão uma pequena amostra da profundidade das transformações que estão acontecendo globalmente. 

Pesquisa recente da Juniper Research mostrou que a base de usuários de carteiras digitais deve saltar de 2,6 bilhões para 4,4 bilhões até 2025. A projeção de um crescimento de impressionantes 70% em tão pouco tempo leva em consideração o alinhamento entre comércio eletrônico e presencial. 

O crescimento acelerado também das criptomoedas tem movimentado bancos centrais ao redor do mundo, que se esforçam para criar moedas digitais que possam fazer frente às criptomoedas já existentes. O Banco Central da Inglaterra tem um projeto para lançar sua própria moeda digital, assim como a China também conta com um projeto já em fase avançada para lançamento do iuan digital.

O Banco de Compensações Internacionais (BIS) prevê grandes disrupções de mercado e mais competição com a entrada de novas moedas digitais criadas por bancos centrais. Além disso, esses países ganham mais agilidade para realizar pagamentos domésticos e internacionais. 

No Brasil, a chegada do Open Banking vem como a pavimentação de um caminho para grandes mudanças. A forma como negociamos, fazemos compras, interagimos com consumidores e nossos comportamentos financeiros de um modo geral estão mudando de modo drástico. Nada do que conhecemos permanecerá intacto. 

Para alguns, isso pode parecer assustador. Mas a grande verdade é que o mundo está sempre em constante mudança, a grande questão é que no curso da história estávamos mais acostumados a ver essas transformações acontecendo de um modo mais lento e alinhado ao nosso ritmo. Agora, essas transformações acontecem de um modo repentino, como respostas a grandes fenômenos globais, como é o caso do que estamos atravessando com a pandemia. 

Em um mundo que vem se digitalizando de ponta a ponta, é impossível pensar que os negócios que não se adaptarem a essas mudanças permanecerão sólidos. É como estar abaixo de uma grande onda e se recusar a nadar. 

A Shipay participa ativamente dessas mudanças, sempre de olho nas soluções que serão cruciais para o varejo estar bem preparado para crescer nessa nova realidade. Nosso objetivo é facilitar a entrada de recebimentos digitais em seu caixa do modo mais simples, fluido e natural possível. Afinal, esse é o melhor caminho para assimilar o novo. Quer integrar sua loja física ou virtual para receber pagamentos digitais?

Quero vender pelo WhatsApp, como a Shipay pode me ajudar?

Quero vender pelo WhatsApp, como a Shipay pode me ajudar?

Solução da Shipay é flexível e pode ser utilizada tanto por grandes redes quanto por pequenos e micro varejistas. Saiba como vender 100% remoto via WhatsApp.

Com 120 milhões de usuários no Brasil, o potencial de alcance do Whatsapp é sem dúvidas impressionante. Em empresas, já há algum tempo a ferramenta vem sendo utilizada como um canal de suporte ao cliente bem funcional, desde o surgimento do WhatsApp Business. O mais interessante é que a ferramenta também pode ser um canal promissor de vendas, mas sabemos que essa função ainda é pouco explorada no país. 

De um modo geral, temos empresas se adiantando para estruturar o Whatsapp como um canal de vendas automatizado, como é o caso do Burger King, que vamos explicar um pouco mais neste artigo. Em outra ponta, temos empresas de menor porte usando o WhatsApp de forma improvisada como canal de vendas. De olho neste mercado, a Shipay percebeu uma oportunidade para auxiliar varejistas e microempreendores a melhorarem suas experiências de venda usando o Whatsapp. Hoje, você vai entender como pode usar a ferramenta de bate papo para impulsionar e modernizar as vendas da sua empresa.

Passo a passo para pagar pelo WhatsApp

O sistema da Shipay permite que o lojista faça pagamentos direto dentro do WhatsApp usando link de pagamento, seja o link do PIX (copia e cola), ou das carteiras digitais. A grande vantagem é que o cliente pode pagar dentro do WhatsApp e o lojista tem a confirmação em tela direto no PDV dele. Ou seja, tudo que for vendido é conciliado no sistema da loja.

Outro lado vantajoso para os lojistas é que com o sistema da Shipay os links de pagamento permanecem com suas taxas originais. O que isso significa? Os adquirentes também conseguem mandar links de pagamento, a diferença é que cobram uma taxa por isso, o que acaba deixando o serviço mais caro. Com a Shipay, as taxas originais dos links de pagamento, seja do PIX ou das carteiras, são mantidas. a

Duas formas de integrar os pagamentos para necessidades diferentes

O sistema da Shipay é flexível e pode ser integrado de duas formas diferentes: dentro de sistemas automatizados ou integrado ao PDV da loja. O primeiro formato é mais adequado para grandes grupos, enquanto o segundo funciona muito bem para varejistas de pequeno porte. “A solução da Shipay pode ser usada em empresas de todos os tamanhos. Os canais automatizados, que contam com chatbots, são sistemas caros, normalmente desenvolvidos por grandes redes, como é o caso do Burger King. Em uma operação menor, uma pessoa só consegue gerenciar todo o processo e funciona de um jeito lindo. O cliente faz a compra de forma 100% remota e a confirmação do pagamento é feita na tela do PDV, como se o cliente estivesse lá presencialmente.” explica Charles Hagler, Co-Ceo da Shipay. 

Essa é uma alternativa versátil e extremamente útil principalmente em um momento de lockdown. Além disso, uma vez que o cliente experimenta comprar via WhatsApp, a tendência é de que continue pagando dessa forma, já que é muito mais prático. 

O formato integrado ao PDV funciona assim: o cliente e operador começam a conversar pelo WhatsApp e o lojista oferece as opções que ele tem para comprar. À medida que o cliente vai escolhendo o que quer, o lojista vai registrando no caixa, como se estivesse fazendo uma venda presencial. Na hora de finalizar a compra, ele informa os meios de pagamento, que são PIX e as carteiras digitais. O cliente escolhe a opção que quer pagar e o lojista manda o link de pagamento. Assim que a transação é feita, a confirmação aparece na tela do PDV. 

Com um sistema automatizado, a solução é desenhada da mesma forma como foi feito com o case do BK (confira uma demonstração no vídeo acima). “Nessas situações o lojista tem um sistema de vendas específico no WhatsApp que geralmente tem um chatbot conectado nele. Nesse modelo, a solução da Shipay fica conectada a esse sistema de venda em que todo o processo é feito dentro do WhatsApp. Esse é um canal automatizado, com chatbot, conforme o cliente vai interagindo com o robô, ele mesmo dá as opções de produtos e de pagamentos”, explica Hagler. Nesse formato, as opções de pagamento também são por PIX e carteiras digitais. 

Uma grande vantagem para o consumidor em comprar dessa forma, além da praticidade, é a possibilidade de aproveitar cashbacks e outros descontos especiais oferecidos pelas carteiras. O case do BK traz um grande aprendizado, já que a experiência foi desenhada de uma forma moderna, ágil e conectada com as novas tecnologias, totalmente aderente com o que busca a geração Z. Quer conferir como funciona? Experimente pedir o seu lanche pelo Zap do BK (11) 2222-7000. Você faz sua compra em poucos segundos, sem complicações, com uma interação fluida e linguagem leve. 

Ideal para food services

Hagler acrescenta a vantagem das vendas pelo WhatsApp especialmente para as empresas do segmento de alimentação, como padarias, fast foods, restaurantes, bares, etc. “Negócios com um portfólio grande de produtos (como supermercados) não são tão aderentes a este formato, porque o operador ou o robô teriam que apresentar um catálogo enorme de produtos para o cliente, isso complica a interação. Nos food services, tanto o robô quanto o operador não precisam dar tantas opções ao cliente, então a solução tende a funcionar melhor”, explica. 

Ele também pontua que neste momento de pandemia o canal do WhatsApp ganha uma relevância maior, tendo em vista que a ferramenta é amplamente utilizada pela população e as empresas conseguem fugir das taxas e comissões cobradas por plataformas de delivery. Além disso, o lojista também reduz possibilidades de erros e imprevistos nas vendas. “Nas plataformas de delivery, há opções em que o cliente paga na hora e isso pode causar problemas, desencontros entre o entregador e o cliente, cartões com erro, problemas com maquininhas, etc. Pelo WhatsApp, a pessoa paga pelo pedido antecipadamente e o lojista não fica na mão com imprevistos que poderiam acontecer”, comenta. 

Quer aumentar as vendas da sua empresa nesse período de lockdown? Faça a sua integração para receber pagamentos digitais pelo WhatsApp!

E-commerce pode oferecer pagamentos por QR Code com sistema da Shipay

E-commerce pode oferecer pagamentos por QR Code com sistema da Shipay

Comércio eletrônico decolou no último ano e tem terreno fértil para continuar crescendo. Entenda como a solução da Shipay pode ajudar varejistas a surfar essa onda.

Somente em 2020, 13,2 milhões de pessoas fizeram compras pela internet pela primeira vez no Brasil. O volume é 23% maior do que o registrado em 2019 e, ao todo, o comércio eletrônico fechou o último ano com crescimento de 29% no número de consumidores, novos ou não. Em termos de faturamento, um recorde impressionante: R$ 87 bilhões, cerca de 41% a mais do que o registrado no ano anterior. Os dados fazem parte da Pesquisa Webshoppers, realizada pela Ebit|Nielsen em conjunto com a Bexs Banco.

Os números da consultoria apenas confirmam a trajetória de ascendência do e-commerce no Brasil e a necessidade dos varejistas adequarem seus negócios para estarem presentes também no ambiente online. Se engana quem pensa que esse crescimento é um fenômeno pontual da pandemia: outro estudo recente aponta que a estimativa é de que o e-commerce brasileiro cresça 56% até 2024.

Além disso, relatório da XP Investimento indica que o comércio eletrônico deve crescer 32% em 2021. De olho no crescimento do comércio virtual, a Shipay desenvolveu uma solução para que varejistas possam receber pagamentos por QR Code em suas lojas online de modo integrado e com muita facilidade.

“Nossa integração é bem simples e através de API. Oferecemos toda documentação técnica, ambiente de homologação e conta com nosso suporte durante o período de integração sem custo!

Em outras palavras, com uma única integração o e-commerce passa a aceitar PIX e carteiras digitais”, explica Paulo Loureiro, COO e Co-Founder da Shipay.

Incluir pagamentos digitais nas opções da loja online é uma forma de melhorar a experiência de compra do cliente, uma vez que os pagamentos são processados de forma instantânea com o PIX e as carteiras digitais oferecem uma série de vantagens, como descontos e cashback.

Na outra ponta, o varejista sai ganhando porque consegue mais fôlego no fluxo de caixa, evita gaps de mercadoria travada esperando prazos de
compensação de boletos e pode oferecer preços melhores aos clientes sem ser onerado com isso, tendo em vista as promoções já oferecidas pelas carteiras.

E aqui vale ressaltar o valor que esses descontos têm quando falamos de comércio eletrônico. Na pesquisa da Nielsen, um dado que merece muita atenção é o feedback dos entrevistados sobre a experiência de compra. A maior reclamação registrada é a respeito do custo do frete. Ou seja, se o varejista não tem margem para amenizar este custo – e entendemos o quanto isso realmente pode ser difícil em um momento de crise – as ofertas oferecidas pelas carteiras são uma forma de reduzir o valor da compra para o cliente final.

De olho nas oportunidades

Sabemos que 2020 não foi um ano fácil para muitos varejistas, entendemos também que essa nova realidade requer muita flexibilidade e adaptações profundas na operação para que o varejo possa recuperar as perdas e voltar a faturar.

Dito isso, é importante ressaltarmos os benefícios diretos para o varejista com a solução de e-commerce da Shipay. A primeira delas é que, como dissemos acima, qualquer loja virtual passa a aceitar pagamentos via PIX e carteiras digitais de forma integrada. O que isso significa na prática? Que todos os seus pagamentos digitais estarão centralizados em um só hub, o que facilita a organização do caixa e a conciliação dos pagamentos. Ou seja, é modernização e praticidade na operação financeira da sua empresa.

Loureiro ressalta outro ponto importante: “nossa solução integra direto com bancos (PSPs) para o PIX. Em outras palavras, o dono do e-commerce pode escolher em qual banco pretende receber e ter a liberdade de trocar quando julgar necessário”. Sendo assim, todo relacionamento bancário e preferências do varejista são respeitados.

Por fim, mas não menos importante, vale lembrar que o PIX tem uma série de vantagens em comparação ao boleto. Além de mais prático e fácil para quem compra, tem taxas menores e liquidação 24×7. No vídeo abaixo você confere uma pequena demonstração da nossa solução já integrada em um de nossos parceiros, a Qualidoc. Trata-se de uma farmácia digital, com a plataforma completamente desenvolvida para oferecer melhor custo e comodidade na experiência de compra. Tendo em vista o contexto de isolamento social, uma farmácia digital surge como uma alternativa 100% aderente às necessidades do cliente.

Com o crescimento do PIX e das carteiras digitais, especialmente com a popularização das lives desde o ano passado e também das adaptações de programas de TV – que têm feito ações utilizando a exibição de QR Codes -, esse formato tem ganhado cada vez mais aderência com a população.

De olho nas oportunidades

Um grande destaque de crescimento em termos de venda de produtos online é o mercado pet. A pesquisa da Nielsen mostrou que o volume de pedidos online cresceu 143% em 2020 na comparação com o ano anterior. Em relação ao faturamento, houve um salto impressionante de 108% na mesma base de comparação.

Esse aumento pode ser explicado pela mudança de rotina massiva imposta pela pandemia. Com o home office sendo adotado em larga escala, as pessoas passaram a ficar mais tempo com seus pets e, consequentemente, passaram a comprar mais produtos para os seus bichinhos de estimação.

Seja qual for o segmento da sua empresa, é importante que você analise seu contexto com bastante critério e aberto a mudanças, para que possa aproveitar novas oportunidades e fazer o seu negócio crescer.

Como posso ter pagamentos digitais integrados em minha loja online?

Para integrar a solução da Shipay em sua loja virtual é bem simples, basta se cadastrar aqui. Nossa equipe entrará em contato para agilizar todo o processo de integração e em poucos dias a empresa estará apta a oferecer pagamentos por QR Code aos seus clientes.

Close Bitnami banner
Bitnami