Imagine lançar um produto e observar um crescimento de 170% em apenas um ano, isso te pareceria surreal demais para ser verdade?

Este foi o percentual de crescimento de adesão do Pix em seu primeiro ano de existência, quando olhamos apenas para pessoas físicas. Em novembro do ano passado, a plataforma contava com 38 milhões de pessoas físicas adeptas, saltando para 105 milhões em outubro deste ano, segundo dados do próprio Bacen. Além disso, o sistema foi responsável pela bancarização de 40 milhões de brasileiros. O total de pessoas jurídicas dentro do sistema triplicou neste primeiro ano, saltando de 2,4 milhões de CNPJ cadastrados no primeiro mês para um total de 7,4 milhões em outubro deste ano. 

A plataforma de transferências instantâneas do Banco Central completa um ano exatamente no dia 16 de novembro – e de lá para cá lançou novas funcionalidades, se prepara para colocar outras no mercado e está trazendo um dinamismo para o ecossistema financeiro do Brasil até então inédito para os players do mercado. 

Nesta esteira, a Shipay também viveu um ano importante: além do avanço dos pagamentos digitais ao redor do país em função da pandemia de Covid-19, a chegada do Pix impactou de forma muito transformadora a realidade do mercado de pagamentos no Brasil. Hoje, atuamos com três importantes frentes: integração para varejo físico, para e-commerces e também com uma frente corporativa para integração de pagamentos dentro de canais digitais, permitindo o pagamento de faturas de cartão de crédito e outras coisas utilizando o Pix. No período de apenas um ano, nossa empresa se tornou presente em todos os estados do Brasil. 

“Quando o Pix apareceu, ninguém tinha ideia da magnitude e do impacto que ele teria, não somente do ponto de vista transformador como método de pagamento, substituindo pagamentos tradicionais. A abrangência e a magnitude que ele vai ter sob a perspectiva de democratizar os pagamentos, é uma ferramenta que já abrange mais de 50% da população, tem a questão da digitalização do dinheiro que permite processos mais eficientes não só sob perspectiva de tributos,  mas também de controle e celeridade 24/7. Todas as dinâmicas que o Pix traz, a redução de custo na não circulação da moeda (física), é de fato uma iniciativa completamente vencedora, que veio transformando o Brasil”, avalia Luiz Coimbra, Co-CEO e fundador da Shipay. 

Apenas o começo de uma grande transformação

Neste primeiro ano, o balanço para avaliar os passos que já foram dados até agora fica pareado com um universo de possibilidades que estão por vir com a agenda acelerada do Banco Central, que por sinal vem ao lado de uma outra agenda importantíssima, que é da implantação do Open Finance no Brasil. 

Na agenda evolutiva, Coimbra destaca a importância das funcionalidades que estão surgindo gradativamente. “É extremamente importante para o Banco Central continuar impondo esse ritmo transformador, até para dar um horizonte de que é um processo evolutivo longo. A minha percepção é de que as funcionalidades básicas vem de forma muito sustentável: primeiro a transação, depois a transação com cobrança (juros, multa e mora), Pix Saque e Pix Troco devem ajudar o varejo a ganhar um pouco mais de dinheiro, ter uma receita e adotar um pouco mais o Pix como uma contrapartida, e virão também as ferramentas de pagamentos recorrentes para substituir um pouco o boleto parcelado, talvez um pouco do Pix Garantido para substituir um pouco do crédito, são ferramentas importantes para competir com pagamentos como o cartão de crédito”. 

Neste sentido, tendo em vista a quantidade de funcionalidades que estão em pauta, o COO e fundador da Shipay, Paulo Loureiro, acrescenta que a empresa tem um papel importante para ajudar o varejista a acompanhar este movimento. “O Bacen vem fazendo um ótimo trabalho em inovar e também divulgar essas novas funcionalidades do Pix. Isso tem gerado uma expectativa grande no mercado pelo potencial que trás em diversas frentes.

Apesar do anseio, nem todos compreendem que toda nova funcionalidade do Pix precisa também ser implementada pelos bancos, que por sua vez tem seu próprio cronograma. A Shipay, que tem como objetivo democratizar pagamentos digitais, neste caso faz o papel de trazer mais clareza desses movimentos aos nossos parceiros, que estão conectados com o varejo”.

Além das novas funções, o Banco Central traz também a Iniciação de Pagamentos, que deve tornar os processos ainda mais fluidos. Essa é uma possibilidade que encurta os passos do pagamento “copia e cola”, reduzindo de sete para três etapas uma compra em um canal digital. “Você vê aqui um grande lego de peças, todos eles com sua função, quando você junta tudo, esse negócio vai tomando uma robustez, um valor muito grande. O Pix vai ser uma grande infraestrutura do Banco Central, permitindo à autoridade monetária 

ter dados sobre as transações, reduzir custo com moeda, reduzir fraude, lavagem de dinheiro e sonegação”, comenta Coimbra. 

Proteção ao usuário ainda pode melhorar

Todo grande avanço tecnológico também tem o outro lado da moeda. No caso do Pix, um efeito colateral foi o crescimento de crimes como fraudes e casos de sequestros relâmpago. Como resposta a essas questões, o Banco Central anunciou medidas limitando o valor de transferências via Pix no período noturno, bem como mecanismos de bloqueio temporário de recursos em casos de movimentações com suspeita de fraude. 

Coimbra avalia que os mecanismos adotados pelo Banco Central até o momento ainda têm um viés mais reativo do que proativo, e que outras saídas poderiam ser adotadas para melhorar a confiança da sociedade. “O Pix, por ser uma transação instantânea, merece e deveria ter de seus participantes uma validação instantânea para averiguar se aquela transação é positiva ou não. Os meios propostos até agora são reativos, essa transação precisa ter uma validação antifraude também instantânea. Os métodos propostos até agora minimizam o problema, mas não o resolvem”, analisa. Na visão do executivo, além da necessidade de criar um mecanismo de validação instantânea, ainda podem ser dados passos mais profundos para combater contas fraudulentas. 

Shipay tem ferramentas necessárias para alavancar o varejo

Diante da velocidade de evolução da agenda do Pix, os varejistas ainda têm espaço para aprimorar muito a experiência de compra que proporcionam aos seus clientes. Do ponto de vista de cadastro de CNPJs no sistema, o volume de 7,4 milhões é expressivo e muito robusto, falta agora o varejo físico dar passos mais robustos para enriquecer a experiência que oferece. 

“Temos empresários ainda recebendo via transferência, sem muito controle. Esse empresário ainda não está conscientizado de que essa transação vai precisar ser conciliada, que precisa estar integrada aos seus sistemas de caixa, talvez ele ainda esteja tratando seus recebimentos via Pix de uma forma muito simples. Ele precisa estar preparado para entender que esse negócio vai crescer de uma forma exponencial. Se não estiver preparado para isso, vai acabar sofrendo e pagando custos maiores”, avalia Coimbra.

Neste ponto, a Shipay surge como um grande facilitador do varejo, esteja ele presente no ambiente físico, digital ou seja uma empresa interessada em integrar seus canais digitais para pagamentos com o Pix. A tecnologia da empresa vem para permitir que o Pix seja recebido de forma fluida, integrada com o sistema de caixa, conciliado com os demais pagamentos e com todos os benefícios que a transação instantânea oferece. 

“Nossa expectativa era de que o Pix alcançaria sua popularidade rapidamente no P2P pela clareza do seu benefício em comparação com o modelo existente de TED/DOC. Por outro lado, nossa expectativa do Pix no varejo se limitava ao potencial imenso que a solução traria. Dúvidas sobre o modelo operacional e comercial do Pix no varejo eram barreiras que prevíamos, porém não tínhamos como mensurar o impacto da velocidade de adesão. Ao final desse primeiro ano, posso dizer que fui surpreendido pela velocidade em que os varejistas procuram o Pix como nova forma de recebimento e também pelo interesse em utilizar o Pix na sua estratégia `multicanal` como pilar de inovação”, finaliza Loureiro.

Close Bitnami banner
Bitnami
Close Bitnami banner
Bitnami