Os pagamentos digitais começaram a chamar atenção mundial após o case de sucesso na China, onde o pagamento por QRCode via carteiras digitais alcançou utilização de 93% da população que tem mais de 1,3 bilhões de pessoas. Até então, a população tinha pouco acesso aos Bancos e cartões por lá.
Essas carteiras fazem parte dos dois principais “superapps” chineses: Alibaba e WeChat. Ambos surpreenderam o mundo com a simplicidade, praticidade e segurança no modelo de transação.

Logo após essa explosão da aceitação dos consumidores chineses, a nova tecnologia começou a crescer em todo mundo e segundo um estudo realizado pela Bain & Company, as carteiras digitais vão representar 28% do mercado de pagamentos digitais em 2022.
Na prática, consiste em o cliente utilizar o próprio celular como meio de pagamento. Geralmente vinculado a um aplicativo de carteira digital, o consumidor pode cadastrar seus cartões de débito e crédito ou transferir dinheiro para o saldo da carteira. Em seguida consegue comprar em sites de e-commerce ou através de um QRCode, por exemplo, para pagar por uma compra em loja física.

Consegue também, dependendo da carteira, pagar contas e boletos, transferir para outros usuários da carteira, investir o dinheiro e assim por diante. Tudo diretamente no smartphone, sem envolver dinheiro em espécie ou cartões de plástico.
A modalidade possibilita menos filas e mais agilidade, experiências que o consumidor digital busca nas lojas físicas. Traz a praticidade de pagamentos do mundo digital para o mundo físico.
Com essa tecnologia é possível, por exemplo, compartilhar informações e vantagens dos diferentes canais de vendas, físicos e digitais, impulsionando a experiência do omnichannel no varejo.
A partir do momento em que grandes instituições e empresas resolveram regulamentar e investir o pagamento digital deixou de ser aposta para se tornar realidade. Hoje no Brasil já estão em operação mais de 30 carteiras digitais realizando pagamentos por QR Code e a quantidade de novas carteiras não para de crescer.

Um pouco sobre o PIX (Banco Central)

O Banco Central decidiu fomentar esse tipo de pagamento, a partir do anúncio do PIX, e o WhatsApp acabou de lançar a sua carteira digital (Facebook Pay) para o mercado brasileiro. Nela você transfere dinheiro instantaneamente para outro usuário diretamente no chat, tão simples quanto enviar uma foto. Solução que também estará disponível para o varejo.
No Brasil a novidade chegou para ficar. Essa tendência ganha forte tração no ecossistema brasileiro por conta da baixa bancarização do país. Segundo o Global Payments Report de 2018 o uso das carteiras digitais na América Latina deve crescer mais de 3 vezes até 2022.

Pagamentos digitais também tendem a ganhar força no varejo de moda após o afrouxamento da quarentena da Covid-19, onde os consumidores buscarão novas medidas de pagamento sem contato físico para evitar uma segunda onda de proliferação do vírus.
Com o pagamento digital não existe contato físico nenhum entre o caixa e o cliente. Não tem cartão, maquininha, teclado nem recibo em papel. Por isso é mais seguro para o consumidor e operadores de caixa.
Os consumidores foram forçados a migrar para o e-commerce durante a quarentena. Quando as portas do varejo se abrirem novamente o cliente vai exigir um nível de segurança maior contra possíveis contaminações, caso contrário pode preferir continuar comprando on-line.
Do lado do cliente final, além de oferecer uma experiência 100% digital, permitindo o acompanhamento de todas as compras direto no aplicativo da carteira digital, ele também poderá aproveitar os descontos ou cashbacks, chegando a até 20 reais de desconto e 50% de cashback.
O processo de pagamento por carteiras digitais é simples e cerca de 61% dos brasileiros das classes A, B e C que possuem smartphones já são usuários recorrentes desta modalidade, aponta a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC). A praticidade é a principal vantagem para 47% dos consumidores, enquanto 53% apontam as transações imediatas e a confirmação instantânea como maiores atrativos.

Benefícios para o Varejo em aceitar Pagamento Digital:

  1. Promoções para o consumidor: Os programas de incentivos, como o cashback, que promovem uma porcentagem de reembolso dos valores gastos para usar em outras compras, são um grande atrativo para os consumidores utilizarem as e-wallets. Em algumas campanhas especiais o cashback chega a 50%. Outras carteiras dão descontos de R$5, R$10, R$20 dependendo do valor da venda. Essas promoções são alavancadas pelas carteiras e aumentam as vendas para o varejista.
  2. Redução do custo com taxas:  hoje, as taxas médias dos maiores adquirentes do Brasil são de 3,85% para crédito e de 2,15% para débito. Já as taxas médias das principais carteiras digitais são de 2,42 % para crédito e de 1,23% para saldo em conta. Ou seja, as carteiras digitais representam uma economia de 37,14% para crédito e 42,79% para débito quando comparada às taxas praticadas pelas tradicionais adquirentes.
  3. Divulgação das lojas: As carteiras digitais também promovem a divulgação das lojas por meio da geolocalização. Ao abrir o aplicativo da carteira, automaticamente são indicadas as lojas naquela região que possuem o sistema de pagamento e os respectivos descontos. Essa medida leva mais clientes para as lojas, que podem se beneficiar da base de clientes das carteiras, como a PicPay, que tem 20 milhões, o Mercado Pago, com 7,9 milhões e a Ame, com 7 milhões. São atraídos para as lojas, em busca das promoções e descontos ou simplesmente para poder usufruir de uma experiência mais segura e avançada.

Na prática isso resulta em novos clientes, mais vendas e menos custos financeiros para o varejista que aceita os pagamentos digitais. Um estudo, da SBVC de 2019, indica que 82% dos varejistas pretendem utilizar pagamentos digitais em 2020.
No entanto, para aceitar 10, 20, 30 carteiras de pagamentos digitais na loja o varejista esbarra em algumas dificuldades. Para cada carteira nova o varejista precisa realizar um longo cadastro e posicionar uma placa com o respectivo QR Code no balcão do caixa, espaço nobre do varejo.

Além de ocupar o balcão, as dezenas de placas criam um visual confuso na loja e devido a exposição ficam sujeitas a adulterações e fraudes. Na hora de pagar o próprio consumidor tem que digitar o valor da venda. Para confirmar o recebimento o operador de caixa tem que acessar o portal da carteira utilizada. Como são vários portais e o perfil do operador do caixa é tipicamente simples, isso se torna um desafio só superado com muito treinamento e mesmo assim existem riscos para falhas na operação.
Isso tudo torna a venda mais lenta e aumenta as filas nos caixas. Para o gerente da loja não é fácil acompanhar o fluxo financeiro pois também deve acessar diversos portais e consolidar as informações. O mesmo ocorre para avaliar a efetividade das promoções e economia das taxas.

A Shipay surgiu para Simplificar Pagamentos Digitais

A solução da Shipay (https://shipay.com.br/) foi criada para resolver esses problemas. A empresa é uma fintech fundada em 2019 que tem como propósito simplificar o relacionamento dos consumidores e comerciantes com os pagamentos digitais.
Desenvolveu um hub das principais carteiras digitais disponíveis no mercado, como PicPay, Mercado Pago, Ame, PagBank, entre outras, que é integrado ao ERP (Enterprise Resource Planning) das lojas, o sistema do caixa (PDV).
Para que os pagamentos digitais possam se popularizar no varejo, é necessário simplificar e facilitar o processo para o lojista. E dentro desse contexto, a integração com o sistema de PDV (frente de caixa) é fundamental.

No modelo proposto pela Shipay, o cliente informa ao caixa por meio de qual carteira digital deseja pagar, o caixa escolhe a opção desejada e o sistema de gestão gera um QR Code, que pode ser impresso ou apresentado no monitor da loja.
O cliente faz a leitura por meio do aplicativo da carteira digital e a venda é finalizada após a confirmação de pagamento no app e o caixa recebe a confirmação. No aspecto de segurança, a transação é criptografada de ponta a ponta e são utilizadas chaves que identificam até o caixa da loja, prevenindo as fraudes. A Visão da Shipay

A Visão da Shipay

A visão dos fundadores da Shipay é trazer de forma simples e integrada todos os pagamentos digitais para o varejo: carteiras digitais, bancos digitais, pagamentos instantâneos (como PIX e whatsapp), benefícios digitais, criptomoedas e o que surgir de novo nesse tema. 
Cabe ressaltar que as criptomoedas também estão dentro do contexto dos pagamentos digitais. Já imaginou uma loja oferecendo a possibilidade de receber em Bitcoin? Em países com moeda fraca como a Venezuela e Argentina o Bitcoin ganha cada vez mais relevância.

Os bancos centrais pelo mundo todo têm estudado o tema e discutido a regulação. Em fevereiro de 2020 a Suécia lançou sua própria moeda digital, o e-krona, emitida pelo banco central do país. Outros bancos centrais têm discutido essa possibilidade, como Inglaterra, Japão, Coreia, União Europeia, Rússia, Suíça dentre outros. É uma questão de tempo para as criptomoedas serem aceitas e fazerem parte da nossa vida cotidiana.

De olho neste cenário, dezenas de empresas que fornecem de sistemas de caixa (PDV/ERP) já integraram a solução da Shipay. Sem essa tecnologia o lojista ou a software house teriam que realizar projetos de desenvolvimento a cada nova carteira digital que queiram integrar ao seu ERP. Com a Shipay basta integrar uma vez via API Shipay e o PDV fica habilitado a utilizar todas as carteiras. Conforme novas carteiras forem surgindo (como o PIX, por exemplo) serão incorporadas automaticamente, sem necessidade de novas integrações. Ou seja, fica preparado para o futuro dos pagamentos digitais. Hoje mais de 100 mil estabelecimentos comerciais já tem acesso ás carteiras digitais integradas ao seu caixa via Shipay.

Bora receber pagamentos digitais em seu negócio?

Close Bitnami banner
Bitnami
Close Bitnami banner
Bitnami