Se há pouco mais de um ano o varejista tentava entender como iria se adaptar ao cenário imposto pela pandemia, no momento presente sua preocupação é decifrar que realidade é essa que o espera no cenário pós-pandêmico – que logo, logo está chegando.

Hoje, eu trazemos aqui um apanhado de considerações valiosas para o varejo, com destaque para alguns segmentos, como alimentação, farmácia, eletroeletrônicos e itens para a casa. As avaliações foram feitas com base no relatório “Tendências e Nova Realidade: 1 ano de Covid-19”, realizado pela consultoria KPMG. Para saber mais a fundo sobre tendências voltadas para o e-commerce, recomendo a leitura deste outro artigo

Se há pouco mais de um ano o varejista tentava entender como iria se adaptar ao cenário imposto pela pandemia, no momento presente sua preocupação é decifrar que realidade é essa que o espera no cenário pós-pandêmico – que logo, logo está chegando. Hoje, eu trago aqui um apanhado de considerações valiosas para o varejo, com destaque para alguns segmentos, como alimentação, farmácia, eletroeletrônicos e itens para a casa. As avaliações foram feitas com base no relatório “Tendências e Nova Realidade: 1 ano de Covid-19”, realizado pela consultoria KPMG. Para saber mais a fundo sobre tendências voltadas para o e-commerce, recomendo a leitura deste outro artigo

Food Services e itens para a casa (incluindo eletrônicos) tiveram caminhos divergentes com o confinamento das pessoas, mas passaram por aprendizados semelhantes. Enquanto o primeiro foi um dos mais afetados pelo fechamento do comércio, o outro trilhou um caminho de crescimento, com o investimento das pessoas em aumentar o conforto de suas casas e apartamentos. A semelhança do aprendizado foi em acelerar ainda mais a adoção/melhoria das plataformas digitais como forma de adaptação às restrições da pandemia. Como resultado, esses segmentos saem mais fortalecidos e preparados para um ambiente digital com muito mais protagonismo e relevância do que no período anterior à pandemia. 

Entre as tendências apontadas pela consultoria, vale o destaque para a recomendação de avançar na adoção de pagamentos digitais para atender a demanda dos consumidores. Dados da World Pay from Fis mostram que os pagamentos com dinheiro físico caíram mais de 34%na América Latina, na comparação entre 2020 e 2019. No Brasil, as cédulas foram usadas em apenas 35% das transações em 2020, contra 47% no ano anterior. Antes da Covid-19, as carteiras digitais respondiam por 14% dos checkouts online da América Latina. Durante a pandemia, esse percentual saltou para 46%. 

Importante também destacar a importância de rever os modelos de negócios. As marcas precisam demonstrar que possuem um propósito, que são sustentáveis, se engajar socialmente e ter uma preocupação real com o cliente. É preciso lembrar que boa parte do varejo não abrirá lojas físicas com o fim da pandemia, ou seja, o foco estará totalmente centrado nos canais digitais. 

No varejo físico, é necessário repensar toda a experiência do cliente. Quanto menos contato ele precisar ter ao longo de sua jornada, melhor para sua marca. É importante entender que não se trata apenas de abrir ou fechar o comércio, existe um comportamento de consumo que foi completamente modificado com a pandemia. É fundamental rever as experiências para que os consumidores se sintam à vontade e seguros. 

Como integradora de pagamentos, a Shipay é uma grande aliada do varejo. Nossas soluções permitem que o varejista aceite Pix e carteiras digitais, com integração direta em seus PDVs/ERPs, loja online ou canais digitais.

Close Bitnami banner
Bitnami